JPL-Nasa/Divulgação
JPL-Nasa/Divulgação

Tesouros arqueológicos da Ásia estão em risco, diz relatório

Templos de Angkor Wat, no Camboja, e os sítios sumérios do Iraque são ameaçados pela atividade humana

Associated Press, AP

18 Outubro 2010 | 17h28

Uma fundação baseada nos Estados Unidos está pedindo uma ação internacional para preservar locais de grande valor cultural pelo mundo que se encontram em risco, incluindo o complexo religioso de Angkor Wat no Camboja.

 

O Global Heritage Fund disse, em relatório divulgado nesta segunda-feira, que "dos cerca de 500 locais de patrimônio da humanidade nos 100 países mais pobres e emergentes... cerca de 200 enfrentam dano irreversível ou destruição hoje".

 

Entre outros locais destacados estão os sítios arqueológicos sumérios do sul do Iraque, que estariam sendo submetidos a saques em massa;a cidade antiga de  Hasankeyf, na Turquia, poderá ser inundada por uma nova barragem; e Kashgar, no oeste da China, onde bbairros antigos poderão ser demolidos num plano do governo para evitar danos de terremotos.

 

"As tendências de perda estão se acelerando por causa das ameaças simultâneas da pressão pelo desenvolvimento econômico, turismo insustentável, gerenciamento insuficiente, saque, guerra e conflito", diz o relatório Salvando Nosso Patrimônio em Extinção: Protegendo o Patrimônio Cultural Ameaçada.

 

O relatório diz que as visitas a Angkor Wat aumentaram 188%, de 840.000, em 2000, para 2,4 milhões em 2009. Os templos foram construídos quando os reis de Angkor governavam boa parte do Sudeste Asiático, entre os séculos IX e XIV. Depois de séculos de abandono, e da guerra civil cambojana dos anos 70, eles se tornaram a principal atração turística do país.

 

Visitantes que escalam as ruínas estão causando "grave deterioração do trabalho em pedra khmer", adverte o texto, acrescentando que os hotéis  e restaurantes da vizinhança estão minando o aquífero local, o que fez com que as 54 torres do templo Bayon afundassem no chão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.