Teste com animais valida nova vacina antigripe, diz laboratório

As partículas empregadas no produto imitam o vírus, tendo como base o seu sequenciamento genético

MAGGIE FOX, REUTERS

18 Agosto 2009 | 10h22

Alunos voltam às aulas com 'beijos e abraços' e tranquilidadeO laboratório Novavax informou nesta terça-feira que um novo tipo de vacina contra a gripe funciona contra o novo vírus H1N1 em animais.  

 

linkEUA reduzem estimativas sobre vacina para gripe H1N1

 linkGoverno adia vacinação contra pólio por causa da gripe

linkVírus para produção de vacina contra H1N1 chega ao Brasil  

 

A empresa disse ter desenvolvido a vacina, a partir de partículas semelhantes às dos vírus, em menos de quatro semanas depois de o Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos EUA divulgar o sequenciamento genético do H1N1, responsável pela pandemia da chamada "gripe suína".

As partículas empregadas imitam o vírus com base no seu sequenciamento genético.

O Novavax disse que a vacina protegeu furões contra a nova cepa pandêmica. Os furões são os animais mais parecidos com os humanos no que diz respeito à contaminação por gripes.

"Os furões receberam uma dose de 3,75, 7,5 e 15 microgramas da partícula semelhante ao vírus H1N1 de 2009, ou um placebo, e receberam o reforço de uma segunda dose após três semanas", disse a empresa em nota.

No quinto dia após a vacinação, disse o laboratório, "os ferrões imunizados com todos os níveis de vacinação tinham eliminado o vírus H1N1 e não apresentavam sintomas da doença", disse a empresa.

"Por outro lado, os animais do grupo de controle, que não receberam a vacina, demonstravam letargia, temperaturas corporais elevadas e espalhavam o vírus até seis dias após a infecção", acrescentou a nota da empresa.

O Novavax precisará da aprovação das autoridades dos EUA para testar a vacina em pessoas. É possível que esses testes durem anos, antes que uma nova formulação da vacina seja amplamente aplicada em humanos.

Os testes clínicos da vacina tradicional para o H1N1 são feitos com o antigo método que usa ovos de galinha. Cinco laboratórios -- AstraZeneca's , CSL, GlaxoSmithKline, Novartis e Sanofi-Aventis -- estão desenvolvendo o produto para o mercado norte-americano.

O Novavax, com sede em Maryland, tem usado sua nova tecnologia para desenvolver uma vacina contra o vírus H5N1, da gripe aviária.

A maioria das vacinas contra a gripe usa uma versão atenuada ou morta do vírus para estimular o sistema imunológico. É preciso atualizar a vacina todos os anos, para acompanhar a constante mutação das cepas virais, e esse processo, usando os ovos de galinha, leva de cinco a seis meses.

O Novavax cultiva a vacina em células de lagartas em tubos de ensaio, o que o laboratório diz ser mais rápido. O vírus "falso" é incapaz de infectar células e se replicar, embora seja reconhecido pelo organismo como se fosse o vírus autêntico.

A Organização Mundial da Saúde declarou em junho que há uma pandemia do vírus H1N1, que já afetou 180 países. Sanitaristas recomendam que as pessoas recebam duas doses da vacina contra a nova gripe, além da habitual dose única contra a gripe sazonal.

Em julho, consultores do governo dos EUA disseram que 160 milhões de pessoas, ou metade da população norte-americana, deveriam ser vacinadas contra a nova gripe, com prioridade para grávidas e profissionais da saúde. O governo diz, no entanto, que só conseguirá receber 45 milhões de doses até meados de outubro, e cerca de 20 milhões de doses adicionais por mês depois disso.

Mais conteúdo sobre:
GRIPEVACINANOVA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.