Teste de respiração pode ser usado para diagnosticar vários tipos de câncer

'Nariz eletrônico' serviria para um exame portátil e barato de tumores em estágio inicial

Efe

10 de agosto de 2010 | 20h18

LONDRES - Um grupo de pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Haifa, em Israel, desenvolveram sensores capazes de detectar a presença de tumores no pulmão, nas mamas, no intestino ou na próstata de pacientes ao colher amostras de respiração, segundo artigo publicado nesta terça-feira, 10, no British Journal of Cancer.

Os cientistas acreditam que o desenvolvimento desses sensores pode levar a um "nariz eletrônico" que serviria para um diagnóstico portátil e barato de tumores em estágio inicial.

Para desenvolver esses detectores, os cientistas realizaram testes em 177 voluntários, entre pessoas com vários tipos de câncer e outras saudáveis.

Graças a este estudo, foi constatado que é possível usar sensores para detectar sinais químicos emitidos pelas células tumorais que se manifestam na respiração dos pacientes.

Kuten Abraham, um dos cientistas que conduziram o estudo, explicou que esse "nariz eletrônico" pode servir para diferenciar uma respiração saudável de uma que indica a presença de tumor, e detectar em que lugar do corpo está o câncer.

"Além disso, essa poderia ser uma maneira fácil de acompanhar a eficácia de tratamentos e detectar recaídas", disse Kuten.

No entanto, o especialista alertou que "ainda são necessários estudos em grande escala" para que esses sensores deem lugar a um método de diagnóstico para que complemente os já existentes.

O desenvolvimento de métodos de diagnóstico é muito importante especialmente para tipos de câncer mais comuns - como de pulmão, mama, intestino e próstata -, que muitas vezes só são identificados quando a doença já está bastante desenvolvida e respondem pela maioria das mortes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.