Teste genético ajuda a reorientar tratamento do câncer de mama

Esse pode ser o primeiro passo para a oncologia personalizada; estudo foi publicado na 'Annals of Oncology'

Efe

10 Junho 2011 | 11h20

BARCELONA - O Grupo Espanhol de Pesquisa em Câncer de Mama (Geicam) confirmou em um estudo que um teste genético denominado Oncotype Dx ajuda a reorientar o tratamento do câncer de mama em um terço das pacientes e que representa um primeiro passo para a oncologia personalizada. Os resultados da pesquisa foram publicados na revista Annals of Oncology.

 

Veja também:

link Espanha aposta em biomarcador para tratamento de câncer de mama

link Tratamento do melanoma se aproxima do final, após 30 anos de pesquisa

 

O resultado constata, segundo o chefe de serviço de Oncologia do hospital, Joan Albanell, que o teste orienta o especialista na decisão de acrescentar ou não quimioterapia ao tratamento com terapia hormonal em pacientes com câncer de mama em estádio precoce.

 

Para validar esse teste, que foi realizado em sete centros, entre eles o Hospital del Mar, em Barcelona, foram estudados 107 pacientes, informa o centro hospitalar em comunicado. O Geicam é formado por 660 especialistas que trabalham em 176 hospitais.

 

Segundo Albanell, também prediz a magnitude do benefício da quimioterapia e avalia o risco real de recaída da paciente. Para este especialista, o teste é muito útil porque evita a quimioterapia em mulheres nas quais o benefício previsto é mínimo ou inexistente, tanto pela toxicidade quanto pelo próprio custo do tratamento.

 

O impacto do Oncotype Dx já foi avaliado nos Estados Unidos, mas, para estender os resultados a outras populações, era necessário fazer estudos em outros países, segundo as mesmas fontes. A Espanha foi o primeiro país europeu a validar o impacto clínico desse teste e, a partir de agora, serão iniciados estudos em outros países do continente.

Mais conteúdo sobre:
câncer de mama

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.