Teste indica que hidratantes podem aumentar risco de câncer

Experimento foi realizado em ratos; ainda não se sabe o efeito que essas substâncias t~em na pele humana

EFE,

14 de agosto de 2008 | 17h12

Vários hidratantes muito utilizados elevam o risco de desenvolvimento de certos tumores de pele - com exceção de melanomas - quando aplicados em ratos expostos a radiações ultravioleta.   Embora a pele dos ratos seja muito diferente da dos homens, a pesquisa, publicada esta semana no Journal of Investigative Dermatology, pode servir para explicar a incidência de alguns tipos de câncer de pele nas pessoas.   Uma equipe dirigida por Allan Conney, da Rutgers University, de New Jersey (Estados Unidos), utilizou um modelo de ratos sem pêlos para induzir um câncer de pele, não melanoma, como o causado pela exposição excessiva ao sol.   Os cientistas expuseram os ratos a radiações ultravioleta para conseguir os mesmos efeitos que com a exposição aos raios solares, e, uma vez interrompido esse processo, aplicaram nos roedores quatro marcas distintas de hidratantes.   Os ratos tratados com qualquer uma das quatro marcas mostraram um índice superior de formação de tumores que os que não receberam esse tratamento.   Os especialistas estudaram alguns dos elementos utilizados nos cremes e procuraram substâncias que poderiam aumentar o risco de câncer.   Um novo hidratante preparado sem esses ingredientes demonstrou não ter o mesmo efeito nocivo nos ratos expostos às radiações ultravioleta.   Os cientistas não querem, no entanto, ser excessivamente alarmistas, e indicam que ainda não se estudou qual é o efeito desses produtos nas pessoas.

Tudo o que sabemos sobre:
câncerhidratantedematologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.