Teste médico calcula probabilidades de depressão

A ferramenta consiste em uma série de perguntas que podem ser respondidas presencialmente ou pela internet

Efe,

07 de janeiro de 2009 | 18h45

Um teste desenvolvido por cientistas de sete países permitirá aos médicos de família averiguar que probabilidade tem um paciente de sofrer uma depressão e qual será sua duração aproximada. A ferramenta médica, denominada Predict, foi verificada em mais de 9 mil pessoas que receberam seus médicos no Chile, Reino Unido, Espanha, Portugal, Holanda, Eslovênia e Estônia, e consiste em uma bateria de perguntas que podem ser respondidas de forma presencial ou pela Internet. Para desenvolver a aplicação, os cientistas reuniram 1.100 doentes em cada país, de 18 a 75 anos, em hospitais urbanos e rurais, e puderam identificar 11 fatores que antecipam a depressão. Francisco Torres, professor da Universidade de Granada que lidera o projeto na Espanha, informou nesta quarta-feira, 7, que, após o desenvolvimento da aplicação, o objetivo é de difundi-la entre os médicos de família dos países participantes do projeto para que a incorporem às suas práticas clínicas de rotina. Torres ressaltou a "importância" de que se generalize seu uso nos hospitais, por ser a depressão "a doença mais importante de todas as patologias humanas por sua freqüência e por seu poder de incapacitar". A depressão representa 16% de toda a carga de doenças no mundo e calcula-se que ocupará o segundo posto, após as doenças cardiovasculares, como causa global de invalidez em 2020, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Banco Mundial. O projeto de pesquisa Predict foi comandado pelo professor Michael King, do University College of London, e contou com um orçamento de mais de 2 milhões de euro (cerca de 3 milhões de dólares). Seus resultados foram publicados em revistas científicas como BMC Public Health, Brit Journal of Psychiatry e Archives of Geral Psychiatry.

Tudo o que sabemos sobre:
saúdedepressão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.