REUTERS/Edgar Su
REUTERS/Edgar Su

Testes rápidos positivos para covid em farmácia caem mais de 64% em fevereiro, diz Abrafarma

Conforme levantamento da associação de farmácias, o número de confirmações passou de 984 mil em janeiro, para 349 mil em fevereiro

Leon Ferrari, O Estado de S.Paulo

14 de março de 2022 | 21h14

O número de testes rápidos feitos no varejo farmacêutico que deram resultado positivo para covid-19, caiu 64,52% em fevereiro em relação ao mês anterior. As confirmações passaram de 984.650, em janeiro, para 349.287. Os dados da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) também indicam queda de positivações nos primeiros dias de março.

“Mas o alerta ainda deve persistir, pois muitas pessoas podem ter esticado o descanso de carnaval e geraram uma demanda represada”, advertiu, em nota, o CEO da Abrafarma Sérgio Mena Barreto. “Além disso, a proporção de casos por região é destoante, com Estados como Paraná, 22%, e Rio Grande do Sul, 26%, muito acima da média nacional.”

Em janeiro deste ano, as farmácias realizaram mais de 2,46 milhões de testes rápidos, com cerca de 30,51% confirmando a infecção pelo coronavírus. No mês seguinte, o número de testagens ultrapassou 1,14 milhão. Os positivos representaram 39,87% delas. 

Mesmo que o mês passado tenha representado uma queda nas positivações, o número ainda é alto em comparação a registros anteriores. Para se ter uma ideia, nos mesmos meses do ano passado, a taxa foi de, respectivamente, 19,62% e 23,65%. O número de testes em janeiro de 2021 foi de 682.273 (133.877 positivos), e em fevereiro, 716.245 (169.412).     

A taxa de testes positivos teve tendência de queda de abril até novembro de 2021. Em dezembro do ano passado, o valor cresceu 8 pontos porcentuais em relação ao mês anterior. Esse aumento foi acompanhado pelo recrudescimento do número de testes feitos entre os dois meses. No mês natalino foram 831810 (17,3% positivos) em comparação aos 539063 (9,3%) feitos em novembro.

Sob efeito da Ômicron, a explosão nos diagnósticos positivos se deu em janeiro. Comparado a dezembro, o aumento no número de positivações foi de 580,38%. O primeiro mês de 2022 foi marcado pela alta demanda por testes, o que levou a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) a recomendar parar de testar casos leves da doença e farmácias a interromperem agendamentos para os exames.

A Abrafarma, ainda, disse que nos primeiros dias de março houve 19.429 confirmações. Mais de 126 mil testes já foram feitos neste mês. “O percentual de 15,32% (de positivos), metade do indicador de fevereiro, significa uma retomada do patamar anterior às festas de fim de ano em 2021”, destacou, em nota. 

Dados do consórcio de veículos de imprensa, mostram que a média móvel de novos casos no Brasil caiu de 4 de fevereiro até 7 de março, passando de 182.869 para 40.074 (-78%). Entre 8 e 9 deste mês, apresentou leve aumento, voltando a ser de 50.677. Desde então, retornou à tendência de redução. Nesta segunda-feira, 14, foi de 45.087.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.