Tufts University/Divulgação
Tufts University/Divulgação

Tipo de roupa altera maneira como pessoas percebem cor da pele, diz estudo

O jeito de se vestir pode mudar a percepção de terceiros sobre a cor da pele de uma pessoa, segundo estudo feito por pesquisadores americanos das universidades de Tufts, Medford, Stanford e da Califórnia. 

estadao.com.br,

29 de setembro de 2011 | 12h11

 

De acordo com a BBC, para realizar a pesquisa, os cientistas vestiram pessoas ou com roupas casuais de trabalho, ou com macacões, e pediram a espectadores que categorizassem os rostos dos modelos como sendo brancos ou negros.

 

A probabilidade maior era, segundo o estudo, que os rostos fossem vistos como brancos quando as pessoas se vestiam com roupas casuais de escritório e como negros quando usavam os macacões.

 

O relatório da equipe de pesquisadores, baseados nos Estados Unidos, foi publicado na revista científica Plos One. Os cientistas acham que, se as pessoas têm consciência das estratégias que usam para avaliar outras pessoas, os efeitos desses julgamentos subconscientes podem ser diminuídos.

 

Os pesquisadores pediram a cerca de 20 voluntários que classificassem os rostos de homens e mulheres, que variavam de formato e tom da pele, em apenas uma de duas categorias de raça - branca ou negra.

 

Com isso, a equipe descobriu que, para os rostos mais ambíguos racialmente, os participantes tinham 4% a mais de probabilidade de considerar uma face negra se a pessoa estivesse usando um macacão, em vez de um terno.

 

Em outras palavras, o rosto mais ambíguo racialmente era categorizado como negro em 61% das vezes em que usava terno, e 65% das vezes em que usava macacão.

 

Ainda segundo a BBC, ao acompanhar os movimentos das mãos dos voluntários enquanto eles mexiam em um mouse para tomar sua decisão, os cientistas puderam perceber hesitações momentâneas, que davam pistas sobre como os participantes estavam fazendo suas opções.

 

Foi descoberto que, mesmo quando um voluntário decidia que uma pessoa usando um terno de negócios era negra, a trajetória do mouse tendia a desviar um pouco em direção à opção 'branco' mais frequentemente do que quando um rosto 'negro' estava usando macacão.

 

Agora, a equipe planeja pesquisar se a influência das roupas na percepção da raça desaparece quando as pessoas ficam conscientes que a 'bagagem que elas trazem à mesa pode verdadeiramente alterar a forma como a raça é percebida'.

 

Se for o caso, estudos como este podem ajudar a aliviar os efeitos da estereotipificação, segundo afirmam os pesquisadores. As informações são da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.