Tipo mortal de E. Coli mistura toxina conhecida com 'cola' rara

Bactéria já matou 18 pessoas na Europa e infectou mais de 1.700 só na Alemanha

Reuters

03 Junho 2011 | 15h20

Cientistas que estão testando a cepa mortal de E. Coli, que provocou um surto na Europa, descobriram que a bactéria combina uma toxina altamente venenosa, mas bem comum, com uma "cola" raramente vista que a gruda no intestino das pessoas.

Pode demorar meses até que a equipe de pesquisadores entenda por completo as características da bactéria que já matou 18 pessoas na Europa. Eles acreditam que esta cepa seja a mais tóxica a atacar o ser humano.

A maioria das bactérias Escherichia coli, ou E. Coli, são inofensivas. A cepa que está fazendo as pessoas adoecerem, conhecida como 0104:H4, é parte de uma classe de bactérias conhecidas como Shiga, que produz uma toxina.

Esta classe tem a habilidade de se grudar na parede intestinal, onde bombeia a toxina, causando diarreia e vômito. Nos casos graves, causa a Síndrome Hemolítico-Urêmica (SHU), que ataca os rins levando ao coma, ataque epilético e derrame.

A cepa alemã parece combinar a toxina encontrada no tipo mais comum de bactéria desta classe nos Estados Unidos, conhecida como E. coli O157:H7, com um agente incomum de "cola".

A Organização Mundial da Saúde confirmou que esta cepa "nunca foi isolada em pacientes antes", e revelou que a bactéria aparentemente adquiriu genes extras que a tornou mortal.

Veja também:

link OMS confirma que bactéria pode ser transmitida de pessoa para pessoa

link Treze países informaram à OMS casos de infectados por bactéria E. coli

link Cientistas decifram o genoma da bactéria E-coli

especial Saiba mais sobre causas e prevenção da infecção intestinal na Alemanha

Mais conteúdo sobre:
bactéria E. coli infecção

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.