Elói Corrêa/Governo da Bahia/Divuigação
Elói Corrêa/Governo da Bahia/Divuigação

‘Tivemos de reservar leitos de UTI’

O secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, relata que os casos de SGB surgiram pouco depois da epidemia de zika

Entrevista com

Fábio Vilas-Boas

Lígia Formenti, O Estado de S. Paulo

26 Novembro 2015 | 03h00

O secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, relata que os casos de SGB surgiram pouco depois da epidemia de zika. “Tivemos de reservar leitos de UTI, deixar tudo preparado para casos mais graves. Gastamos cerca de R$ 2 milhões na assistência.”

O senhor teme uma epidemia no próximo verão?

É preciso trabalhar para que isso não aconteça. Mas há uma parcela significativa da população ainda suscetível ao vírus. É preciso pensar estratégias para combater o mosquito.

No Nordeste, a maior parte dos criadouros está relacionada ao armazenamento de água...

Não há o que fazer. Vai deixar de haver racionamento? As pessoas vão deixar de guardar água? É preciso ir além. Por isso aposto em alternativas, outros métodos, como a do mosquito transgênico.

Mas as pesquisas na Bahia não pararam por falta de recursos?

Foram 140 dias sem pagamento e retomamos em agosto. Os mosquitos transgênicos deixaram de ser soltos no período, mas quero retomar as negociações. Tenho uma reunião nos próximos dias. Não sei quanto tempo será preciso, mas temos interesse. Ficar só virando lata não basta.

 

Mais conteúdo sobre:
Bahia UTI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.