Tocador de MP3 põe em risco audição de adolescentes

Pesquisadores alertam que uma geração inteira poderá ser prejudicada se nada for feito

Agências de notícias,

30 de dezembro de 2011 | 08h39

 

Um em cada quatro adolescentes corre o risco de sofrer perda auditiva precoce como consequência do uso de tocadores de MP3. É o que mostra um estudo da Universidade Tel Aviv e publicado na revista científica International Journal of Audiology.

Os cientistas israelenses estudaram os hábitos de consumo de música de jovens e mediram os níveis de volume utilizados. Os resultados demonstraram que iPods e outros dispositivos de MP3 podem ter efeitos nocivos no longo prazo.

“Em 10 ou 20 anos será muito tarde. Perceberemos que uma geração inteira de pessoas jovens está sofrendo de problemas auditivos muito mais cedo que o esperado pelo envelhecimento natural”, afirma Chava Muchnik, coordenadora do estudo. Ela prevê que aos 30 ou 40 anos já será possível diagnosticar a perda auditiva, ou seja, em uma faixa etária bem mais precoce que nas gerações anteriores.

A primeira fase do estudo incluiu 289 participantes com idades entre 13 e 17 anos. Eles falaram sobre o volume e a duração do uso dos aparelhos. Na segunda fase, foram realizados exames auditivos em 74 desses jovens.

Segundo Muchnik, os resultados são preocupantes. Cerca de 80% dos jovens usam tocadores de MP3 regularmente. Por volta de 20%, utiliza o aparelho por mais de uma hora e menos de quatro. E 8% dos adolescentes ultrapassam o limite das quatro horas.

Para os pesquisadores, seria necessário adotar limites de segurança mais estritos para os aparelhos. O limite europeu - de 100 decibéis - é considerado bom, mas aparelhos presentes no mercado chegam a 129 decibéis.

Os cientistas também consideram oportunos programas educativos nas escolas para informar crianças e famílias dos riscos associados ao volume elevado.

Os especialistas também propõem o uso de fones de ouvido que ficam sobre a orelha em vez de fones mais invasivos que praticamente entram no início do canal auditivo.

Tudo o que sabemos sobre:
MP3músicaaudiçãosaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.