Tomar sol pela manhã pode reduzir risco de câncer de pele

Regeneração do DNA seria maior no período matutino, diminuindo danos da radiação

das agências de notícias,

24 de outubro de 2011 | 17h59

Tomar sol pela manhã, e não no fim de tarde, pode reduzir o risco de desenvolver câncer de pele, revela uma pesquisa da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos.

 

Para chegar ao resultado, os autores expuseram dois grupos de ratos à radiação UV _às quatro da manhã e às quatro da tarde, nos momentos de mínima e máxima atividade de regeneração do DNA celular, respectivamente.

 

Aqueles expostos quando a atividade de regeneração estava no nível mínimo, pela manhã, tiveram um risco cinco vezes maior de desenvolver tumores de pele.

 

Nos humanos, acontece o contrário. Os cientistas acreditam que a taxa de regeneração do DNA seja maior no período matutino. Por isso, pode-se supor que aconteça exatamente o inverso do observado nos ratos. Ou seja, durante a manhã o organismo estaria mais protegido contra lesões.

 

"A pesquisa sugere que limitar os banhos de sol aos horários da manhã pode reduzir o risco de câncer em pessoas", diz Aziz Sancar, um dos líderes do trabalho. "No entanto, é preciso fazer novos estudos antes de recomendações definitivas", reconhece o autor.

 

O autor e sua equipe já haviam demonstrado que uma proteína chamada XPA é responsável por corrigir danos ao DNA causados pela radiação ultravioleta. O próximo passo é mensurar as taxas de regeneração do DNA na pele de pessoas para confirmar a descoberta.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
câncerpeleradiaçãoDNA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.