Trabalhos de restauração da tumba de Tutancâmon são iniciados

Objetivo do projeto é desenvolver um plano de conservação e manutenção a longo prazo do sítio arqueológico

Efe,

10 de novembro de 2009 | 10h21

O Conselho Supremo de Antiguidades (CSA) do Egito e o Getty Conservation Institute, com sede em Los Angeles (Estados Unidos), deram início aos trabalhos de restauração e conservação da tumba do mítico faraó egípcio Tutancâmon, informou nesta terça-feira, 10, o primeiro organismo, em comunicado.

 

O projeto "incluirá uma análise científica dos problemas que afetam as pinturas" da tumba, situada no Vale dos Reis, na cidade de Luxor, no Egito, segundo o diretor do instituto Getty, Tim Whalen, citado na nota do conselho.

 

"O objetivo final do trabalho com nossos colegas egípcios é desenvolver um plano de conservação e manutenção a longo prazo para a tumba que sirva de modelo para preservar sítios arqueológicos similares", ressaltou Whalen sobre o projeto, que terá uma duração de cinco anos.

 

Por sua parte, o secretário-geral do CSA, Zahi Hawas, demonstrou seu alívio pelo início dos trabalhos de restauração, já que, segundo ele, foram detectadas várias manchas nas paredes, que tinham causado preocupação.

 

A tumba de Tutancâmon é, até o momento, a única encontrada das 26 que estão no Vale dos Reis, e estava praticamente intacta quando foi descoberta, em 4 de novembro de 1922, pelo arqueólogo britânico Howard Carter, que trabalhou nela durante duas décadas.

 

A primeira fase do projeto, que durará dois anos, inclui o registro das condições da tumba e de seus muros e a análise e o diagnóstico das causas de sua deterioração. As duas fases seguintes, que levarão otros três anos, consistirão na aplicação do plano de conservação a ser aplicado sobre a tumba e seus muros.

Tudo o que sabemos sobre:
Tutancâmonreforma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.