Foto: Tiago Queiroz| Estadão
Paciente com covid-19 internado no Hospital Emilio Ribas. Foto: Tiago Queiroz| Estadão

Paciente com covid-19 internado no Hospital Emilio Ribas. Foto: Tiago Queiroz| Estadão

Transmissão descontrolada do vírus da covid-19 pode fazer do Brasil 'celeiro' de variantes

Quanto mais o Sars-CoV-2 circula, e se replica dentro dos seres humanos, maior a chance de ele acumular mutações e gerar novas cepas

Giovana Girardi e Fabiana Cambricoli , O Estado de S.Paulo

Atualizado

Paciente com covid-19 internado no Hospital Emilio Ribas. Foto: Tiago Queiroz| Estadão

A disseminação sem controle do novo coronavírus no Brasil está deixando cientistas nacionais e estrangeiros em alerta sobre o impacto que isso pode ter sobre a pandemia como um todo, em especial no surgimento de novas variantes do Sars-CoV-2. Uma preocupação é que o País se torne uma espécie de "celeiro" de mutações, dificultando ainda mais o combate à covid-19.

Quanto mais o vírus circula, e se replica dentro dos seres humanos, maior a chance de ele acumular mutações e gerar novas variantes. É um processo que faz parte da natureza desse organismo, mas é favorecido em cenários de descontrole como o que vemos no Brasil, que enfrenta o pior momento da pandemia em um ano em meio a um relaxamento das medidas de segurança. Enquanto o número de casos e de mortes vem caindo em várias partes do mundo, aqui só tem subido.

Somente nesta quarta-feira, 3, foram registrados mais de 74 mil novos casos, o  maior valor em todo o mundo, e 1.840 mortes, recorde desde o início da pandemia no País. Os Estados Unidos tiveram cerca de 60 mil novas infecções.

Nesse movimento de evolução do vírus, de vez em quando podem aparecer variantes muito diferentes, como é o caso da P.1, que surgiu em Manaus, e também das originadas no Reino Unido e na África do Sul. Por causa disso elas são chamadas de VOCs (variantes de preocupação, na sigla em inglês). Em geral, sabe-se que vírus, no decorrer de uma epidemia, podem apresentar de uma a duas mutações por mês. No caso da P.1 e das demais, foram cerca de 20 de uma tacada só. Por isso elas preocupam.

O motivo para isso ocorrer ainda não é bem compreendido pela ciência. São como os acidentes de avião, compara a imunologista Ester Sabino, pesquisadora do Instituto de Medicina Tropical da USP. “É uma sucessão de eventos raros. Há milhares de aviões no ar e uma hora ocorrem vários erros e um cai. Mas quanto mais aviões estiverem no ar, maior a chance. Ter 20 mutações em um mês é inesperado. Alguma coisa aconteceu e a gente não entende bem”, afirma.

A cientista – que está colaborando com estudos que buscam entender a transmissibilidade da P.1 e como ela pode escapar de anticorpos, permitindo assim a reinfecção – pondera, no entanto, que a variante só se torna um problema quando, além de adquirir muitas mutações, ganha espaço para infectar muitas pessoas.  “A P.1 é realmente mais transmissível. Se não tomar cuidado, a chance é maior de se contaminar com ela”, diz.

Ainda não há evidências para dizer se esta variante tomou conta da epidemia no Brasil nem se é a responsável pela explosão de novos casos observada na maior parte do País. Sabe-se que a P.1 é a principal linhagem em Araraquara (interior de São Paulo) e em Porto Alegre – cidades que viram seus sistemas de saúde lotarem –, e em Manaus, onde o colapso dos hospitais levou pacientes a morrerem por falta de oxigênio. Apesar do avanço das variantes, o Brasil reduziu no começo do ano o número de sequenciamentos genéticos, essencial para rastrear as cepas. 

O virologista Mauricio Nogueira, professor da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, reforça a ressalva feita por Ester de que o simples fato de a variante com mais mutações surgir não pode ser considerada a única explicação para o cenário de caos que se instalou no País.“Estamos dando oportunidade para esse acaso acontecer”, afirma ele.

“É muito conveniente para a sociedade, políticos e autoridades afirmarem que a culpa é da variante mais transmissível. Como se tivessem feito tudo para conter o problema, mas a variante tomou conta da cidade. Se tivéssemos tomado as medidas de segurança, não teria acontecido. A forma de prevenir é a mesma: distanciamento social e uso de máscara. O fato é que damos toda a oportunidade do mundo para que o vírus gere a maior quantidade do mundo de mutações”, diz.

Nogueira explica que o surgimento das variantes é matemático. “A cada X multiplicações, vai ter mutação. Quanto mais multiplicar, mais variantes vai gerar. Agora no Brasil é onde o vírus mais está se multiplicando, é onde já há o maior número de novos casos por dia. Se essa variante tem a oportunidade de ser transmitida quando a pessoa onde a mutação surgiu pega um avião lotado, vai ao cinema, ao restaurante... aí estamos nos tornando um celeiro de variantes e distribuindo-as à vontade dentro do País”, alerta.

Para o virologista Felipe Naveca, pesquisador da Fiocruz Amazônia à frente dos estudos que mostraram a prevalência da P.1 em Manaus e como a linhagem é mais transmissível, esse é um risco que pode ocorrer onde houver o descontrole.

“O Brasil e todos os países que deixaram o vírus correr solto estão sendo incubadoras de novas variantes. Relatos nesta semana apontam para mais duas prováveis novas variantes de preocupação nos Estados Unidos: na Califórnia e em Nova York. Em todos os países com esse discurso de que devemos deixar o vírus circular para dar imunidade (de rebanho), a gente está vendo o que está acontecendo”, comenta.

De acordo com o pesquisador, nos últimos três ou quatro meses houve aceleração da evolução do vírus. “Isso está claro. Não somos só nós, todos os grupos de pesquisa estão mostrando isso. O surgimento da linhagem do Reino Unido, da África do Sul e do Brasil – com algumas mutações em comum relacionadas ao escape de anticorpos e a maior transmissão - mostram que o vírus deu um salto de evolução", diz Naveca.

"Então, a chance de termos novas variantes cada vez mais adaptadas ao ser humano é muito grande se a gente continuar dando essa liberdade para o vírus. A gente precisa urgentemente diminuir a transmissão do vírus”, frisa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Imunidade comprometida e infecção longa podem ser explicação para mutações do coronavírus

Caso observado no Reino Unido de paciente com a imunidade comprometida é hipótese para explicar surgimento da variante do Sars-CoV-2 originada no País; ainda não se sabe se isso pode ter ocorrido com outras cepas

Giovana Girardi, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2021 | 05h00

O surgimento das variantes do coronavírus tem chamado a atenção de cientistas em todo o mundo, que têm começado a levantar algumas hipóteses para explicá-las. “Há alguns dados surgindo que apontam que pessoas que têm a imunidade comprometida e que estão infectadas por muito tempo acumulam mutações. As variantes que estão despontando podem estar vindo desses pacientes que estão infectados por um longo tempo com covid”, disse ao Estadão a pesquisadora da Universidade Yale Akiko Iwasaki, referência global em imunologia.

Ela participa nesta quinta-feira, 4, de um webinar promovido pelo Instituto Serrapilheira, para lançar um programa gratuito de formação de jovens cientistas. Leia a entrevista completa.

“Como essas pessoas não conseguem eliminar o vírus sozinhas, elas costumam receber plasma de convalescentes. Isso pode acabar eliminando o vírus, mas dá tempo para que as mutações se acumulem antes da eliminação. O vírus que é selecionado para escapar do plasma convalescente pode circular na população dando origem às variantes”, disse. 

“Ainda não está claro quais são exatamente as fontes dessas variantes no momento. Pacientes imunocomprometidos podem ser uma delas porque tendem a acumular múltiplas mutações dentro de si”, continua.

A suspeita surgiu com um paciente de 70 anos do Reino Unido. Ele foi infectado com covid-19 logo após ter passado por quimioterapia para tratar um linfoma, de modo que seu sistema imune estava comprometido e nenhum medicamento dado a ele no hospital melhorava sua condição. A saída foi aplicar o plasma de convalescente (com anticorpos de pessoas que já tinham se curado da doença).

O paciente acabou falecendo 102 dias após testar positivo e, em análises posteriores feitas em amostras dele, cientistas observaram que o vírus havia evoluído e desenvolvido mutações que mudaram sua capacidade de infectar células e escapar dos anticorpos.

Uma das mutações observadas no paciente foi encontrada depois na variante B.1.1.7, originada no Reino Unido, o que fez os cientistas também suspeitarem que ela possa ter surgido em um paciente imunocomprometido.

“A interpretação da B.1.1.7 sugere que o surgimento pode acontecer quando o vírus evolui mais rapidamente num só hospedeiro devido, por exemplo, a um sistema imune fragilizado que permite a reprodução continuada de vírus durante um período prolongado”, explicou ao Estadão o pesquisador Nuno Faria, do Imperial College de Londres, especialista em evolução de vírus. Ele também está participando dos estudos com a variante P.1, que surgiu no Amazonas.

“Acho que mais dessas variantes vão surgir. É uma questão de tempo e de sequenciamento genético até encontrarmos mais VOCs pelo mundo”, disse.

“Quando a transmissão é galopante, novos mutantes podem surgir e se espalhar. É como colocar lenha na fogueira. No outono e inverno de 2020, a transmissão nos EUA foi galopante, mas tínhamos apenas um vírus. Agora, os EUA também têm as variantes. Eu me preocupo com outra onda e mais variantes se não controlarmos a propagação entre a população”, complementou Akiko.

Tudo o que sabemos sobre:
coronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Cientistas brasileiros comprovam infecção simultânea por duas variantes do coronavírus

É a primeira vez que pesquisadores atestam a chamada coinfecção; efeito de novas cepas sobre vacinas preocupa

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2021 | 20h00

Rio - Cientistas brasileiros atestaram a coinfecção por duas linhagens diferentes do Sars-CoV-2 em dois pacientes de covid-19. Foi a primeira vez que especialistas comprovaram a infecção simultânea por duas variantes do novo coronavírus. O grande risco da coinfecção é a recombinação dos genomas das linhagens presentes no organismo. O processo poderia gerar novas variantes. Elas poderiam ser mais agressivas ou transmissíveis.

Quanto mais o vírus circula de forma descontrolada, como hoje no Brasil, maior a chance da coinfecção e do surgimento de novas variantes. O perigo é apontado em novo estudo, publicado na semana passada na revista Virus Research. É assinado por pesquisadores do Laboratório de Microbiologia Molecular da Universidade Feevale, em Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul, e por especialistas em biotecnologia do Laboratório Nacional de Computação Científica, em Petrópolis, no Rio.

“Um achado robusto como o nosso é inédito no mundo, mas já havia a desconfiança de que isso já teria ocorrido”, explicou o virologista Fernando Spilki, da Feevale, um dos autores do trabalho. “Até porque esse tipo de fenômeno é esperado no caso dos coronavírus, está na base da criação de novas variantes na natureza (além de mutações).”

É provável, segundo Spilki, que uma coinfecção e uma recombinação de genomas em algum animal tenham levado ao surgimento do SarsCoV-2. Mutações durante a própria replicação do vírus podem também gerar novos vírus. Mas esse processo seria mais raro. 

“Na primeira onda da pandemia, a gente vinha vendo uma continuidade na evolução do genoma do vírus em um determinado ritmo, bem mais lento do que observamos na segunda onda”, explica o virologista. “Na segunda onda, até mesmo devido a um controle muito flácido, houve expansão muito grande na diversidade do vírus. As mutações se dão ao acaso, mas quanto maior o número de hospedeiros, maior o número de mutações que acabam se estabelecendo ao longo do tempo na forma de variantes e, posteriormente, linhagens", diz Spilki. 

Para chegar ao resultado publicado, os pesquisadores brasileiros fizeram o sequenciamento genético dos vírus presentes em 92 pacientes de covid-19. Em dois deles, duas mulheres na faixa dos 30 anos, foram encontradas duas linhagens diferentes, presentes de forma simultânea. Em um dos casos, havia duas variantes que circulam no Brasil desde o começo da pandemia. No segundo, no entanto, além de uma forma mais antiga do vírus, aparece também a P2. Ela foi identificada pela primeira vez no Rio. É potencialmente mais transmissível.

As duas mulheres tiveram episódios leves de covid-19. Não chegaram a ser internadas. Segundo Spilki, o maior risco da coinfecção não é uma apresentação mais grave da doença. É a recombinação do genoma das diferentes linhagens.

“Temos duas variantes de alta transmissibilidade circulando, a P2 e a britânica. Temos também, ao que tudo indica, a variante P1 que provocaria casos mais agressivos”, explica Spilki. “Vamos imaginar que, com a circulação desenfreada do vírus, essas duas variantes se encontrem no mesmo indivíduo. A recombinação do genoma pode dar origem a uma variante com as duas características: mais transmissível e mais agressiva, características que tornariam o controle ainda mais difícil.”

Outra preocupação seria o surgimento de novas variantes capazes de driblar as atuais vacinas. Mas isso não é razão para ninguém deixar de se imunizar, argumenta o pesquisador. “Não podemos dizer que as vacinas disponíveis não devem ser tomadas ou que não devemos confiar nelas”, frisou Spilki. “Muito pelo contrário: a vacinação em massa é fundamental, e quanto mais rapidamente acontecer, menor a chance do surgimento dessas novas variantes.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

'É surpreendente ver que tantas mutações estão aparecendo ao mesmo tempo em tantos lugares'

Pesquisadora Akiko Iwasaki, da Universidade Yale, fala sobre os desafios que a pandemia ainda traz para a ciência. Suas maiores preocupações agora são as variantes e a desigual distribuição de vacinas pelo mundo

Entrevista com

Akiko Iwasaki, pesquisadora da Universidade Yale

Giovana Girardi, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2021 | 05h00

Uma das principais referências globais em estudos de imunologia, a pesquisadora Akiko Iwasaki, da Universidade Yale (EUA), se debruça há um ano em pesquisas que possam ajudar a combater a covid-19, mas teme que a pandemia ainda esteja bem longe do fim. Suas maiores preocupações agora são com as variantes que já demonstraram a capacidade de reinfectar quem foi contaminado anteriormente e com a desigual distribuição de vacinas pelo mundo.

Autora de trabalhos importantes – como o que mostrou que é possível prever, pela a carga viral na saliva de pessoas contaminadas com a covid-19, se elas vão desenvolver um quadro grave; e o que revelou por que homens têm quase duas vezes mais chance de morrer pela doença –, Akiko participa nesta quinta-feira, 4, às 11h, de webinar aberto ao público promovido pelo Instituto Serrapilheira. 

A pesquisadora vai abordar o papel da ciência básica no enfrentamento de desafios concretos, como a covid-19. O evento marca o lançamento do Programa de Formação em Biologia e Ecologia Quantitativas, que o Serrapilheira promove com o objetivo de preparar futuros cientistas para a pesquisa transdisciplinar em ciências da vida. Akiko faz parte do comitê consultivo do programa.

Em entrevista exclusiva ao Estadão, a pesquisadora aborda os desafios que a pandemia ainda traz para a ciência – como o que faz as variantes mais potentes surgirem e os obstáculos para o desenvolvimento de tratamentos contra a covid. Ela explica também suas descobertas mais recentes e em quais aspectos é preciso investir para deixar o mundo mais preparado para futuras pandemias. Confira a seguir:

Como a sra. avalia o status atual da pandemia. Em um ano a ciência conseguiu desenvolver várias vacinas, mas elas ainda não estão amplamente distribuídas em todo o mundo. Ao mesmo tempo em que diversas variantes estão surgindo e alguns países, como o Brasil, ainda sofrem bastante com a doença. Ainda estamos muito longe de combater a covid-19?

Infelizmente, acredito que sim. Sem vacinas amplamente disponíveis em todo o mundo, será difícil alcançar imunidade de rebanho. Em alguns países há mais vacinas que em outros. Obviamente há uma disparidade no acesso à vacina em todo o mundo. Então, estou preocupada com a escassez de vacina assim como a iniquidade da distribuição.

Quais são os maiores desafios agora?

Os problemas são multifacetados. As medidas de saúde pública não são implementadas igualmente em todo o mundo, como o uso de máscaras, o distanciamento social, os hábitos de higiene. E a adoção de lockdown também varia muito, em alguns lugares foi muito tarde, em outros muito cedo, e é possível ver uma grande diferença na incidência das taxas de mortes dependendo do momento do lockdown. São todos fatores importantes que fazem com que alguns países sofram mais.

Em um de seus trabalhos mais recentes, a sra. discute o que a reinfecção significa para a pandemia. Acredita que as reinfecções são agora um problema maior do que se imaginava quando os primeiros casos apareceram?

Sim. Porque as variantes estão em alta em várias partes do mundo. Sabíamos que iriam ocorrer mutações, mas é surpreendente ver que tantas mutações estão aparecendo ao mesmo tempo em tantos lugares. E essas variantes parecem ser mais transmissíveis, em alguns casos mais fatais. Isso vai colocar um pouco em xeque os programas de vacinação, porque a imunidade induzida pelas vacinas pode não ser capaz de prevenir todas as infecções que poderiam ser evitadas se não fosse pelas variantes.

A sra. diz que é surpreendente ter tantas mutações aparecendo ao mesmo tempo. E a sensação é de que emergiram rápido demais, antes mesmo de termos a chance de vacinar as pessoas. Qual se imagina que seja a explicação para isso? Tem a ver com o fato de o vírus ainda estar se dispersando demais?

A resposta completa para essa questão ainda é desconhecida. Há alguns dados surgindo que apontam que pessoas que têm a imunidade comprometida e que estão infectadas por muito tempo acumulam mutações. As variantes que estão despontando podem estar vindo desses pacientes que estão infectados por um longo tempo com covid. Como essas pessoas não conseguem eliminar o vírus sozinhas, costumam receber plasma de convalescentes. Isso pode acabar eliminando o vírus, mas dá tempo para que as mutações se acumulem antes da eliminação. O vírus que é selecionado para escapar do plasma convalescente pode circular na população dando origem às variantes. Ainda não está claro quais são exatamente as fontes dessas variantes. Pacientes imunocomprometidos podem ser uma delas, porque tendem a acumular múltiplas mutações dentro de si. Se este for o caso, antes de tudo temos de entender a fonte das variantes para que possamos eliminar a fonte e também prevenir que futuras variantes aconteçam. É algo que ainda não entendemos muito bem, mas que pode ser um motivo pelo qual estamos vendo as variantes. É bem preocupante.

Cientistas brasileiros estão bastante preocupados que o cenário de descontrole da pandemia no País possa fazer com que o Brasil se torne um celeiro para o surgimento de novas variantes. Concorda com essa avaliação? Este tipo de situação em que o vírus circula livremente pode ser uma das explicações para o surgimento das cepas mais preocupantes?

Concordo. Quando a transmissão é galopante, novos mutantes podem surgir e se espalhar. É como colocar lenha na fogueira. No outono e inverno de 2020, a transmissão nos EUA foi galopante, mas tínhamos apenas um vírus. Agora, os EUA também têm as variantes. Eu me preocupo com outra onda e mais variantes se não controlarmos a propagação entre a população.

Um de seus trabalhos durante a pandemia foi mostrar que a quantidade de vírus na saliva pode predizer quão grave será a doença. Como isso funciona?

Entender o que faz uma pessoa ficar muito ou pouco doente é importante para os médicos poderem planejar um tratamento melhor. A saliva é um modo bem conveniente de dizer se uma pessoa pode desenvolver uma doença pior. É um dos fatores chave, além da idade, para predizer doença severa. E é fácil de coletar, mais do que amostras de nasofaringe, e são melhores em prever severidade. Imaginamos que o motivo é porque amostras de nasofaringe detectam os vírus do trato respiratório superior, que não é o que faz a pessoa ficar doente. O problema ocorre quando o vírus vai do nariz para o pulmão. E porque há um mecanismo que propele o vírus do pulmão todo até a boca, com tosse, por exemplo, a saliva acaba guardando essa informação que se mostrou chave para predizer a severidade da doença.

A sra. também desvendou por que a doença é pior em homens do que mulheres. O que faz com que eles tenham quase duas vezes mais chance de morrer que elas?

Focamos nas diferenças biológicas em homens e mulheres. E realmente vimos diferenças na forma como homens e mulheres respondem a esta infecção, especialmente no começo da infecção. Mulheres tendem a estimular melhor a resposta das células T (uma das células do sistema imune) que homens, que tiveram níveis mais baixos de ativação das células T. E isso também corresponde com o fato de homens desenvolverem doenças mais graves que as mulheres. Uma coisa interessante que vimos é que, com a idade, homens têm uma queda na ativação das células T. Já as mulheres, não. Mesmo quando as mulheres estão com 80 ou 90 anos, elas ainda estão bem em ativação dessas células. Acreditamos que isso pode ter a ver com o cromossomo X, que mulheres têm duas cópias e homens, só uma. E sabemos que alguns genes do cromossomo X são muito importantes para o sistema imune.

Esse pode ser um dos motivos pelos quais vemos casais em que os homens ficam muito doentes e as mulheres, não?

Pode ser um de muitos fatores que mudam a resposta imune, entre outras coisas.

Há alguns indícios de que as vacinas têm sido capazes de aliviar os sintomas das pessoas que continuam com problemas mesmo depois de terem tido covid. Estes casos também vêm se mostrando como um dos desafios da pandemia?

Há centenas de milhares de pessoas, se não milhões, que têm consequências de longo prazo da covid. Se isso é provocado por um vírus persistente ou algo mais, ainda não sabemos, mas certamente não é um evento raro. Mesmo pessoas jovens e saudáveis tiveram sintomas por longo tempo depois da covid. É um problema enorme. De fato, há exemplos de reinfecção e subsequente infecção que também deixam as pessoas doentes, mas estou falando de pessoas que tiveram apenas uma infecção e por um longo tempo ficaram doentes. Para esses pacientes, neste momento, não tem nenhuma boa terapia. Isso é especialmente aterrorizante nos jovens, capazes, atléticos, que nem ficaram doentes no começo da infecção e, de repente, passam a ter sintomas debilitantes. Não conseguem ir ao trabalho, não conseguem pensar direito, se lembrar das coisas. São tantas questões relacionadas ao cérebro que é devastador para essas pessoas. E para elas não existe nenhum tratamento.

Na verdade não existe tratamento para caso nenhum, não é?

Sim, ainda precisamos encontrar soluções para ambos os problemas: prevenir a doença com vacinas e tratá-la quando as pessoas pegarem. A melhor forma para lidar com isso é encontrar terapias para tratar precocemente, porque se passa muito tempo, o único tipo de droga que vai ajudar são corticosteróides, como a dexametasona, que só melhora os sintomas, mas não cura a doença, não mata o vírus. Se puder interferir bem cedo, seja com interferon ou com anticorpos monoclonais, seria possível prevenir a ocorrência de doenças mais severas. Novas drogas são necessárias, especialmente antivirais, mas de novo teria de ser para tratar muito cedo. Teria de ter um grande estoque de bons antivirais prontos para serem usados para dar para as pessoas que acabaram de ser expostas à covid e dar imediatamente, como ocorreu com o tamiflu (com a H1N1). Mas ainda não temos isso. E acho que já deveríamos ter.

Um dos tópicos que a sra. vai conversar com estudantes brasileiros é sobre como a ciência deve se preparar para as próximas pandemias. O que já aprendemos com essa?

Certamente aprendemos várias lições com essa pandemia que nos preparam para as futuras. As vacinas são realmente a história de sucesso, mas há outras coisas que poderíamos ter feito, como ter uma prateleira cheia de antivirais prontos para serem usados. São coisas que sei que a comunidade científica pode alcançar, mas ainda não houve esforço determinado nesse sentido e é algo que acho que podemos fazer para o futuro. E obviamente investir em ciência básica é a chave. Toda a tecnologia para desenvolver todas essas vacinas veio da ciência básica. E a curiosidade é o que direciona a pesquisa. Se parar isso, não haverá mais avanços. Tem de ter investimento para isso. E nem precisa ser especificamente para vacina, mas só de tentar entender melhor como o corpo responde a vírus, em geral, vai nos ajudar a fazer melhores vacinas no futuro. Vigilância é uma outra área que temos de melhorar, com certeza. Há muita vigilância ocorrendo em várias partes do mundo agora, mas deveríamos manter esse nível de vigilância o tempo todo, mesmo sem pandemia, apenas para ver se há a emergência de novos vírus sendo transmitidos para humanos.

O que a sra. recomenda que os estudantes que estão iniciando a carreira científica agora deveriam focar tendo em vista a possibilidade de emergência de novas pandemias?

Estudantes deveriam estar aprendendo amplamente sobre diferentes assuntos. Obviamente, uma vez que tiverem esse conhecimento, podem focar em alguma área. Mas hoje em dia o que acontece é que tem tanta ciência interdisciplinar acontecendo, que se você sabe apenas uma coisa, não é suficiente. Você precisa entender diferentes ciências, como matemática, física, biologia computacional, etc. Não é preciso ser um especialista em tudo isso, mas é muito importante entendermos as bases de todas essas diferentes disciplinas. Para que um dia você possa colaborar e fazer as perguntas certas com os especialistas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.