Transplante de fígado durante gravidez salva mulher e criança

Mulher teve uma hepatite fulminante e entrou em coma; bebê nasceu um mês após a cirurgia e passa bem

Efe,

29 de janeiro de 2009 | 17h12

Uma argentina de 32 anos e sua filha se salvaram da morte por hepatite fulminante graças a um transplante de fígado realizado quando a mulher estava grávida de cinco meses, na primeira operação desse tipo realizada na Argentina.  "Na literatura médica há poucos casos publicados sobre situações similares. No total, foram reportados 14 casos e em somente quatro sobreviveram tanto a mãe quanto a criança", destacou nesta quinta-feira, 29, em um comunicado, o Hospital Universitário Austral, onde ocorreu o transplante.  "Nasci duas vezes. Agradeço infinitamente a Deus e aos meus familiares" que doaram o fígado para o transplante, disse Marta Pecarrere, que um mês depois de sua operação deu à luz Sofía de los Milagros, que se recupera "muito bem" em uma sala de cuidados intensivos do Hospital.  A menina, que nasceu com 550 gramas e já está com 775 centímetros, "melhora a cada dia e deve ter alta quando chegar aos dois quilos", afirmou o canal Todo Noticias. Pecarrere, que tem outro filho de três anos e teve alta na última sexta-feira, 23, foi submetida ao transplante dia 17 de dezembro, quando estava em coma "sem saber que estava morrendo", disse a mulher. O sucesso da operação permitiu que a gravidez continuasse até 19 de janeiro, quando a bebê nasceu por cesariana.  "Fiquei sabendo que havia passado por um transplante que salvou minha vida muitos dias depois da operação. Minhas irmãs me contaram, eu não sabia de nada", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
saúdehepatite

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.