Reuters
Reuters

Tratamento com remédios retrovirais reduz em 92% a transmissão do HIV

Pesquisadores sugerem testes de baixo custo que apontem necessidade ou não do tratamento

estadao.com.br

27 Maio 2010 | 15h53

Pacientes HIV positivos em tratamento com medicamentos retrovirais têm reduzida em até 92% a chance de transmitir o vírus da aids em relações heterossexuais, aponta estudo publicado na última edição da revista Lancet.

 

Veja também:

linkRestrições a verbas da Aids ameaçam vidas, diz Médicos Sem Fronteiras

linkVacinas contra H1N1 podem alterar teste de HIV no laboratório

 

O estudo, financiado pela Fundação Bill & Melinda Gates, revelou o benefício que o tratamento antiretroviral oferece principalmente para pessoas com aids que tenham contagem CD4 de HIV-1 de 200 cópias por ml no sangue.

 

Os pesquisadores também descobriram que a transmissão do HIV por pessoas com contagem próxima a 200/ml é maior na comparação com aqueles com contagem de aproximadamente 50.000/ml, sugerindo que a aplicação de tratamento com retrovirais no segundo grupo pode ter uma expressiva efetividade na redução de contaminação na população mundial.

 

No estudo, pesquisadores norte-americanos, comandados pela Dra. Deborah Donell, avaliaram durante 24 meses um total de 3.381 casais de sete países africanos, estes constituídos por um pessoa HIV positivo e um companheiro HIV negativo, que passava por testes de aids a cada três meses. Cerca de 10% dos pesquisados HIV positivos iniciaram o tratamento antiretroviral durante a pesquisa, apresentando contagem CD4 menor de 200/ml. Nesse grupo, a taxa de transmissão ficou em 0,37 em cada 100 pessoas por ano e, após reajuste, revelando uma redução de 92% na contaminação do vírus nos pacientes HIV negativos.

 

No grupo de pacientes que não estavam fazendo tratamento com antiretrovirais, também com contagem CD4 menor de 200/ml, o índice de transmissão ficou em 8,79 em cada 100 pessoas por ano. Cerca de 70% desses contágios ocorreram por indivíduos com contagem de HIV-1 no plasma acima de 50.000 cópias/ml.

 

"Desenvolver testes de baixo custo que avaliem a concentração de HIV-1 no plasma ajudará a alertar as pessoas sobre a necessidade de iniciarem o tratamento com retrovirais e, consequentemente, ajudar a reduzir o índice de contaminação da doença", afirmam os pesquisadores no artigo publicado.

Mais conteúdo sobre:
aids retroviral tratamento HIV

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.