Aly Song/Reuters
Aly Song/Reuters

Tratamento da Vir e GSK reduz em até 85% internações e mortes por covid, indica estudo preliminar

Os resultados provisórios são de um estudo com a participação de 583 pessoas que foram tratadas com o anticorpo monoclonal VIR-7831

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2021 | 11h46

O anticorpo para tratar pacientes com alto risco de hospitalização por covid-19 desenvolvido pelos laboratórios GSK e Vir Biotecnologia mostrou "grande eficácia" em resultados provisórios, anunciaram a gigante farmacêutica britânica e a empresa californiana nesta quinta-feira, 11.

De acordo com um comitê independente, os resultados provisórios de um estudo com a participação de 583 pessoas mostraram uma redução de 85% nas hospitalizações e mortes em pacientes tratados com o anticorpo monoclonal VIR-7831, em comparação com aqueles que receberam um placebo.

O produto também foi "bem tolerado", disseram a GSK e a Vir em um comunicado.

Diante desses resultados, os dois grupos planejam buscar a aprovação nos Estados Unidos e em outros países. 

As duas empresas farmacêuticas também anunciaram que um novo estudo "in vitro" mostrou que o VIR-7831 continua sendo eficaz contra novas variantes da covid-19 atualmente em circulação, originadas no Reino Unido, África do Sul e Brasil.

"Esses dados tão animadores (...) nos aproximam um pouco mais de poder levar uma nova solução eficaz para pacientes do mundo todo", aifirmou o CEO da Vir, George Scangos. 

"Queremos colocar o VIR-7831 à disposição dos pacientes o mais rápido possível e continuar explorando seu potencial em outros ambientes", disse o diretor científico e presidente de Pesquisa e Desenvolvimento da GSK, Hal Barron.

Vir e GSK também estão colaborando nos testes de fase inicial de um segundo anticorpo (VIR-7832). Os testes pré-clínicos indicam que tem "potencial para bloquear a entrada do vírus nas células saudáveis e uma maior capacidade para eliminar as células infectadas", segundo os dois grupos./AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.