Tratamento mais longo contra hepatite não é consenso em estudos científicos, diz entidade

Especialista diz que prolongamento poderia ser indicado para aqueles que não respondem bem aos remédios usuais

Agência Brasil

28 Julho 2011 | 10h36

BRASÍLIA - No Dia Mundial de Combate às Hepatites Virais, o governo federal deve anunciar novas medidas para o diagnóstico e o tratamento dessas doenças. Desde 18 de julho, estão em vigor novas diretrizes para o tratamento na rede do Sistema Único de Saúde (SUS). Uma delas prevê que o tratamento pode ser prolongado por até 72 semanas sem a necessidade de aprovação de um comitê estadual. Antes, o tratamento era garantido por 48 semanas e, para continuar, precisava da autorização.

O presidente da Sociedade Brasileira de Hepatologia, Raymundo Paraná, discorda da medida. Segundo ele, não há consenso em estudos científicos sobre os efeitos positivos da continuidade da terapia. Paraná disse que, depois que a norma entrou em vigor, muitos de pacientes passaram a solicitar o prolongamento.

De acordo ele, o tratamento mais longo é indicado para alguns pacientes, por exemplo, que têm resposta lenta aos remédios usuais. Esse grupo, conforme o médico, representa menos de 10% dos doentes. "Os estudos não são claros. Isso [continuidade do tratamento] levou os pacientes a pedir. Infelizmente, a gente perde o controle", disse Paraná. "Não é uma situação universal", acrescentou.

Outra novidade é que o início do tratamento não está mais condicionado à realização de uma biópsia do fígado. Raymundo Paraná estima que 40% dos pacientes ficarão dispensados do procedimento. "Tem um impacto grande", disse.

O Ministério da Saúde anunciou que, a partir de agosto, vai oferecer testes rápidos para o diagnóstico das hepatites B e C na rede pública. Com o novo exame, será possível identificar as doenças em, no máximo, 30 minutos. Os centros de Testagem e Aconselhamento (CTAs) das capitais serão os primeiros a receber o teste rápido.

Novo remédio

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o registro de um novo medicamento mais eficaz contra a hepatite C. O remédio, chamado Boceprevir, aumenta de 40% para 60% a chance de cura da hepatite C tipo 1.

É indicado para quem tem o tipo 1 e nunca foi tratado ou não respondeu bem à terapia convencional. De acordo com a Anvisa, o novo medicamento deve ser administrado com o Interferon e a Ribavirina, remédios usados atualmente no tratamento da doença.

O novo antiviral age para impedir a multiplicação do vírus. A hepatite C pode ser causada também pelos genótipos 2 e 3 do vírus.

Mais conteúdo sobre:
hepatite

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.