Tratamentos contra o câncer avançam
Conteúdo Patrocinado

Tratamentos contra o câncer avançam

Segundo os especialistas do Sírio-Libanês, estudos apresentados durante a conferência da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO) em 2022 apontam novas tecnologias e terapias inovadoras com impacto significativo na vida dos pacientes

Hospital Sírio-Libanês, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

13 de junho de 2022 | 08h00

O evento anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO) é o momento em que o mundo conhece o que há de novo e promissor em diagnóstico, tratamento e prevenção do câncer.  “Todo ano há uma grande expectativa pelas novidades que vamos trazer da ASCO, tanto por parte dos médicos quanto dos próprios pacientes”, diz Marina Sahade, médica do Centro de Oncologia e vice-diretora clínica do Hospital Sírio-Libanês. Especialista em câncer de mama, ela destaca um dos estudos que mais chamaram atenção nessa edição. “Os investigadores testaram uma droga já utilizada em pacientes com doença avançada com tumores de mama do tipo HER2 positivo, mas desta vez em pacientes que apresentam HER2 low, ou seja, com pouca expressão dessa proteína”, explica. O remédio é um anticorpo conjugado com quimioterapia. “É como se fosse um cavalo de troia. A molécula carrega a quimioterapia e a libera dentro da célula”, descreve. “Foi uma quebra de paradigma avaliar a medicação nesse outro grupo de pacientes. A resposta foi impressionante e deve ampliar o número de mulheres beneficiadas por este tratamento”, conclui.

Assista às lives dos médicos que estiveram na ASCO e acesse mais conteúdos aqui.

Igualmente marcante, no campo dos tumores gastrointestinais, foi o resultado alcançado com imunoterapia em indivíduos com câncer de reto. Em geral, os tumores localizados na parte final do intestino demandam tratamento com quimioterapia, radioterapia e cirurgia, fazendo com que alguns pacientes tenham, em alguns casos, que usar bolsa de colostomia. No estudo em questão, o plano terapêutico se iniciou com imunoterapia. O desfecho, surpreendente para a comunidade médica mundial, é que nos 14 pacientes que apresentaram resposta o câncer sumiu. 

O emprego da imunoterapia apareceu como chave também no controle de melanoma, câncer que tem origem nas células responsáveis pela produção do pigmento que dá cor à pele. “Até há pouco tempo só se usava essa abordagem para doença mais avançada, que já tinha se espalhado. Uma investigação avaliou a terapia de forma mais precoce e demonstrou uma redução do risco de recidiva do tumor ou de aparecimento de metástase (quando parte do tumor se desprende do local de origem) mesmo para pacientes com melanoma localizado”, analisa Rodrigo Munhoz, médico do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês. Atuando no centro especializado em tumores de pele e sarcomas deste hospital, o médico aponta ainda o esforço bem-sucedido de diferentes instituições que se uniram para encontrar a melhor terapia de resgate, ou seja, quando há falha nos tratamentos anteriores, para sarcoma de Ewing, um tipo de tumor ósseo altamente agressivo.

O neuro-oncologista Olavo Feher, médico do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês, destacou o surgimento de uma perspectiva diferente de tratamento para cânceres do sistema nervoso central, como glioblastomas. “Foram apresentados estudos com vacinas. Um deles utilizou plasmídeos sintéticos, pedaços de DNA contendo proteínas normalmente encontradas nos tumores, para amplificar a resposta do sistema de defesa do organismo contra o câncer”, resume.

Já para a onco-hematologista Mariana Serpa, médica do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês, o congresso da ASCO confirmou a importância do transplante autólogo de medula óssea no tratamento do mieloma múltiplo – um recurso bastante utilizado no Sírio-Libanês. Ela ressalta ainda os avanços na terapia celular, através da utilização de anticorpos bioespecíficos e das células T (CAR-T), células retiradas do paciente, modificadas em laboratório e reintroduzidas para atacar células cancerosas. “Os trabalhos de atualização com as células CAR-T vêm exibindo bons resultados. O Sírio-Libanês está sendo certificado para ser um centro de infusão de células CAR-T”, informa Mariana.

Personalização do tratamento

Outro destaque apontado pelos oncologistas do Sírio-Libanês foi o avanço do uso da tecnologia de biópsia líquida para identificar a presença de fragmentos de DNA de tumores na circulação sanguínea. O avanço molecular tem beneficiado muito o diagnóstico e o tratamento oncológico. Hoje, contam os especialistas, usa-se cada vez mais a biologia molecular para ter um diagnóstico preciso tanto do tumor como da genética do paciente. Com base nesses dados, consegue-se, também, direcionar melhor o tratamento. Essa estratégia vem fazendo diferença, por exemplo, no manejo de cânceres do sistema urinário, como os de bexiga, rim, testículos e próstata. O que se busca com a personalização é evitar efeitos colaterais das terapias e melhorar a qualidade de vida do paciente. 

Tudo o que sabemos sobre:
câncertratamento médico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.