Travesti com HIV ataca funcionárias de hospital no DF

Irritado com a demora no atendimento de colega, 'Maíra' tirou o próprio sangue e partiu para agressão

RICARDO VALOTA, Agência Estado

22 Junho 2010 | 06h13

O travesti Osmair Miliano Pinto, de 28 anos, conhecido como "Maíra", foi preso, ontem, após atacar três funcionárias no interior do Hospital Regional da cidade de Ceilândia (DF), a 25 quilômetros de Brasília.

Extremamente irritado com a demora no atendimento de uma colega por ele levado até o hospital, Osmair, portador do vírus HIV, por volta das 13h30, entrou numa salinha, tomou posse de uma seringa, retirou o próprio sangue, saiu gritando pelo corredor e atacou primeiro a enfermeira-chefe na mão esquerda, que tentou segurá-lo.

Ao também tentar conter o travesti, uma técnica de enfermagem foi mordida no braço esquerdo por Osmair, que se viu impossibilitado de injetar o sangue na segunda vítima. Outra funcionária foi chutada pelo criminoso, que finalmente foi imobilizado por um policial militar.

As duas funcionárias feridas pelo travesti tomaram o coquetel antiaids logo após o ataque e praticamente não correm risco de serem infectadas. "Ele vai responder por duas tentativas de homicídio qualificado.

 

A pena em cada tentativa é de 12 a 30 anos, com redução de um a dois terços porque foram tentativas e não homicídios consumados", afirmou o delegado Onofre de Moraes, chefe da 15ª Delegacia, de Ceilândia.

Mais conteúdo sobre:
violência DF travesti

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.