Bruno Kelly/Reuters
Bruno Kelly/Reuters

Araraquara decreta lockdown e impõe multa de até R$ 6 mil a infrator

Motivada por aumento de casos e nova variante do coronavírus, medida não tem precedentes no Estado de São Paulo nem no auge da pandemia; Jaú e Águas de Lindoia confirmam circulação de nova cepa

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2021 | 16h27
Atualizado 17 de fevereiro de 2021 | 23h46

Correções: 14/02/2021 | 20h36

SOROCABA - A prefeitura de Araraquara decretou lockdown a partir desta segunda-feira, 15, após o crescimento de casos de covid-19 e de mortos e a confirmação da circulação das variantes de Manaus e do Reino Unido. Os infratores estarão sujeitos a multas que variam de R$ 120 a R$ 6 mil. A medida não tem precedentes no Estado de São Paulo nem no auge da pandemia, entre os meses de maio e julho de 2020.

Decreto da prefeitura de Araraquara restringe a circulação de carros, bicicletas e pessoas pela cidade de 283 mil habitantes durante 15 dias. O deslocamento só será permitido para acesso a serviços essenciais ou em caso de necessidade comprovada. Igrejas, templos e clubes estão proibidos de funcionar. O comércio essencial só pode abrir até as 20h e atender com o uso de senhas. Postos de combustível fecham a partir das 19h. 

Araraquara, que atingiu 100% de ocupação de leitos de enfermaria e 96% em UTI, soma 12.127 casos e 146 mortes pela covid-19. “A cidade vive o pior momento da pandemia. Mutações do coronavírus foram identificadas em nosso município. O alerta é de grau máximo”, disse o prefeito Edinho Silva (PT).

As variantes britânica e brasileira do coronavírus foram identificadas em 11 das 16 amostras enviadas ao Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, vinculado à Universidade de São Paulo (USP). Os exames foram encaminhados ao Instituto Adolfo Lutz para confirmação. O prefeito já informou o achado ao Centro de Contingência da Covid-19 do governo de São Paulo.

Segundo o prefeito, a investigação foi motivada pelo aumento da transmissão do vírus nas últimas semanas e a mudança no perfil dos internados, que agora são mais jovens. A gestão municipal também estendeu o horário de atendimento em seis unidades de saúde, que fechavam às 17h, para até as 20 horas 

Secretário de Cooperação dos Assuntos de Segurança Pública, o coronel João Alberto Nogueira Júnior afirma que equipes da prefeitura farão blitzes nas ruas para, em um primeiro momento, orientar sobre as normas. “As pessoas não devem sair de casa a pé ou de carro sem um bom motivo. Não se pode pensar, por exemplo, em sair para uma caminhada, ou um passeio. A prefeitura dispõe de dispositivos legais para multar as pessoas físicas e jurídicas pelo descumprimento do decreto.”

O comércio em geral fica proibido de utilizar o sistema drive-thru, com exceção das redes de fast food e pizzarias que já possuem de forma institucional esse serviço. A venda por delivery no setor de alimentação está liberada.

Com o decreto, podem funcionar até 20 horas supermercados, hipermercados, açougues, padarias, feiras livres e cerealistas, mas não pode haver consumo no local e a lotação máxima será de 30% com uso de senhas. Indústrias, agências bancárias, transportadoras e oficinas de veículos também podem funcionar, mas com medidas de segurança.

Nos 12 primeiros dias do mês, a cidade teve o maior número diário de mortes pela covid-19 desde o início da pandemia. O maior registro aconteceu na sexta, com seis óbitos em 24 horas. Também houve recorde de casos (123,5 em média por dia) e em número de internados (184). No sábado, houve mais duas mortes e 201 casos. Neste domingo, foram 167 casos e três mortes. 

Variantes preocupam outras cidades

Jaú e Águas de Lindoia, também no interior, já confirmaram a circulação de variantes do novo coronavírus e estão adotando medidas mais drásticas para conter a disseminação. Na primeira, são três pacientes com a variente de Manaus. Na segunda, há um caso registrado.  

Em Jaú, o prefeito Ivan Cassaro (PSD) usou as redes sociais para fazer um alerta à população. “Venho aqui com muita preocupação e tristeza anunciar que, infelizmente, nossa cidade está passando o vírus que contagiou Manaus. Peço a população para ter cuidado triplicado. É um momento difícil para nós”, disse.

Segundo ele, houve a suspeita porque a doença passou a ter um curso mais rápido, mais virulento e com mortes de pessoas que estavam fora do grupo de risco. A prefeitura já estuda um endurecimento nas regras de isolamento social. A cidade de 152 mil moradores registra 7.242 casos positivos e 231 mortes pela covid.

A prefeitura de Águas de Lindóia confirmou na sexta-feira, 12, que uma moradora de 61 anos testou positivo para a nova variante do vírus causador da covid-19. Ela havia hospedado um visitante de Manaus, que apresentou sintomas da doença após chegar ao município paulista.

A paciente cumpriu isolamento domiciliar e já se recuperou. O viajante de Manaus foi atendido em um hospital particular de Mogi Guaçu, mas teve o quadro agravado e morreu. A prefeitura informou que a vigilância sanitária seguiu todos os protocolos de saúde para a condução do caso e que as recomendações para a prevenção da doença foram reforçadas.

O secretário de Desenvolvimento Regional do Estado, Marco Vinholi, disse que os técnicos da pasta da Saúde acompanham e monitoram o surgimento de mutações do vírus no interior. O comitê de contingência estadual se reúne na manhã desta segunda-feira, 15, para discutir os rumos da pandemia e estratégias para conter a disseminação das novas variantes.

Em 28 de junho, a prefeitura de São José do Rio Preto baixou resolução criando o chamado mini-lockdown, com o fechamento dos serviços não essenciais aos domingos, segundas e terças-feiras. Nos demais dias, o comércio não essencial funcionou durante seis horas diárias. Não houve, no entanto, restrição à circulação de veículos e pessoas.

O mini-lockdown esteve em vigor até 4 de setembro, quando Rio Preto foi alçada à fase amarela do Plano São Paulo. Na época, segundo a prefeitura, as restrições ajudaram a controlar a pandemia, que voltou a ganhar força após o abrandamento das restrições, sobretudo durante as festas de fim de ano.

A prefeitura de Limeira também decretou um lockdown, mas apenas em dois fins de semana, nos dias 25 e 26 de julho e nos dias 1 e 2 de agosto de 2020, mas sem impedir a circulação de pessoas.

Correções
14/02/2021 | 20h36

A matéria informava inicialmente que o lockdown seria até o dia 30. A informação correta é que terá duração de 15 dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.