Tripulação levará novo sistema à ISS para evitar novas falhas

Equipamento verificará se conexão entre a nave Soyuz e a estação espacial foi feita corretamente

Efe

07 Outubro 2010 | 10h43

MOSCOU - A equipe que parte nesta quinta-feira, 07, na Estação Espacial Internacional (ISS) levará à plataforma orbital levará um novo equipamento que irá evitar a repetição futura de falhas técnicas como a que obrigou no mês passado o adiamento de 24 horas na liberação da nave Soyuz em volta à Terra.

 

"Este equipamento vai viajar para a ISS e lá serão feitas mudanças. Creio que essa tripulação pode reformar completamente em meio ano (a duração da sua missão), este sistema", disse o chefe da agência espacial russa Roscosmos, Anatoly Perminov, a agências russas.

 

Por seu vez, o diretor do Centro de Treinamento de Cosmonautas, Sergey Krikaliov, disse que a equipe foi treinada para instalar o novo mecanismo, que irá garantir o bom funcionamento do fechamento das escotilhas entre a nave e a ISS.

 

O chefe do programa de voos espaciais tripulado Roscosmos, Alexei Krasnov, lembrou que na versão fracassada do engate da Soyuz TMA-18 em setembro, "houve uma falha em um dos dois alarmes que confirmam o hermetismo das escotilhas."

 

O lançamento da Soyuz TMA-01M - a bordo da qual viajam os novos membros da tripulação do posto avançado orbital, os russos Alexander Kaleri e Oleg Skrípochka e o norte-americanos Scott Kelly - está agendado para 23h10 GMT a partir do Cosmódromo de Baikonur no Casaquistão.

 

O porta-voz do Ministério da Defesa russo, Vladimir Drik, informou que cerca de 200 pessoas e 20 aparelhos aéreos, incluindo quatro aviões e mais de 10 helicópteros, vigiarão o lançamento da Soyuz TMA-01M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.