Marinha do Brasil/ Reprodução
Marinha do Brasil/ Reprodução

Tripulantes de navio da Marinha estão com o coronavírus

Embarcação passou pelos Estados do Rio, São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul; todos os tripulantes estão em isolamento domiciliar

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2020 | 19h23

RIO – Pelo menos dois tripulantes de um navio da Marinha brasileira que atracou segunda-feira (23) no Complexo Naval da Ilha de Mocanguê, em Niterói (Região Metropolitana do Rio), estão infectados com o coronavírus, segundo nota da Marinha. Eles apresentam sintomas leves, com evolução clínica satisfatória, e permanecem em isolamento domiciliar, sem necessidade de internação, diz a Força.

Outros três tripulantes do navio Almirante Saboia, conhecido como G-25, fizeram testes para identificar o vírus, e dois tiveram resultado negativo. O teste do terceiro ainda não está pronto, diz a Marinha.

Em caráter preventivo, outros 36 tripulantes também estão cumprindo isolamento domiciliar, por recomendação médica, após terem apresentado algum sintoma de gripe, ainda que leve. Todos os 41 tripulantes estão sendo monitorados, segundo os protocolos dos Ministérios da Saúde e da Defesa.

O navio de desembarque de carros de combate Almirante Saboia saiu do Rio de Janeiro no último dia 10, rumo à Estação Naval do Rio Grande, no Rio Grande do Sul. Antes, parou por quatro dias (de 13 a 16 de março) em Itajaí (SC), onde foi visitado por cerca de 200 alunos da Escola de Aprendizes Marinheiros de Santa Catarina, de Florianópolis, e onde houve entrada e saída de tripulantes.

O navio chegou ao Rio Grande no dia 18 e iniciou a viagem de volta ao Rio de Janeiro no dia 19. No dia 21, a embarcação parou em Santos, mas não houve desembarque. Em seguida passaram dois dias em alto mar e atracaram na Ilha do Mocanguê no dia 23. Tripulantes narraram em redes sociais que os problemas de saúde começaram no dia 18, e aqueles que se sentiram mal foram afastados das funções.

Em nota, a Marinha afirmou que “medidas de descontaminação estão sendo realizadas com o apoio da Companhia de Defesa Nuclear, Biológica, Química e Radiológica da Marinha, de modo a manter a sua plena capacidade de emprego”, e “quanto ao cumprimento do expediente a bordo, várias medidas vêm sendo adotadas para evitar a concentração de pessoal, como o licenciamento diário de parte da tripulação, flexibilização do horário de expediente, ampliação do horário de refeições, permitindo a divisão dos comensais em grupos menores”.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Marinha do Brasilcoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.