Divulgação
Divulgação

Tripulantes do projeto Mars500 completam um ano de isolamento

Missão russa cria situações semelhantes ao de uma viagem e exploração ao planeta vermelho em módulos instalados perto de Moscou

estadão.com.br,

03 Junho 2011 | 11h12

SÃO PAULO - Foi em 3 de junho de 2010 que três russos, um francês, um italiano e um chinês "partiram" rumo ao planeta vermelho como parte do projeto Mars500. Na verdade, o experimento russo simula as condições de voo e do ambiente marciano em um contêiner de 550 metros cúbicos localizado próximo à Moscou, na Rússia.

Veja também:

linkVoluntários de voo simulado a Marte descem no planeta vermelho

especialConheça o projeto Mars500

Nesta sexta, eles completam 365 dias de isolamento de um total de 520. "O lado ruim da rotina é que, todos os dias deste ano que passou, nós acordamos no mesmo horário para fazer os mesmos controles médicos com os mesmos dispositivos: sem fim de semana ou feriado por um ano!", escreveu o astronauta da Agência Espacial Europeia (ESA), Romain Charles, no seu diário.

Nestes momento, os tripulantes da missão estão simulando o retorno para a Terra, a "chegada" deles está prevista para 5 de novembro deste ano. Além do francês Romain, fazem parte da missão os russos Sukhrob Rustamovich Kamolov, Alexey Sergevich Sitev e Alexandr Egorovich Smoleevskiy, o italiano Diego Urbina e o chinês Yue Wang.

Durante a viagem, além de simular a rotina da viagem, eles coletaram amostras de um ambiente que imita a superfície de Marte em um compartimento construído especificamente para isto. Os tripulantes são monitorados o tempo todo por médicos, biólogos e cientistas. O experimento serve, inclusive, para observar como os tripulantes se comportam em um ambiente de completo isolamento a longo prazo.

"Nossa equipe mantém dezenas de experimentos que devemos fazer constantemente, não importando os bons ou maus momentos, produzindo dados de qualidade que ajudam alguns dos melhores cientistas da Europa a avaliar o que alguns viajantes do espaço irão enfrentar", escreveu Diego.

"Nós temos uma ótima equipe e apesar de termos experiências distintas, nunca tivemos conflitos entre nós. É por isso que estou otimista sobre os últimos dias nos módulos Mars500. Nós veremos em 5 de novembro quando aterrissaremos na Terra depois de uma jornada de 520 dias ao planeta vermelho, não antes", avisa Romain também pelo diário.

Mais conteúdo sobre:
Marte espaço ESA Mars500

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.