Yuri Gripas/ EFE
Yuri Gripas/ EFE

Trump pressiona agência para acelerar liberação de remédios com potencial para tratar coronavírus

Um dos medicamentos ainda está em fase experimental e o outro é usado contra a malária; porém, este último está em baixo estoque, segundo farmácias independentes

Reuters, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2020 | 17h08

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pressionou a FDA - entidade responsável por controlar os alimentos e remédios no país - a liberar medicamentos com potencial de tratamento contra o novo coronavírus. Trump alegou que, assim, poderia se chegar a um avanço no tratamento enquanto a vacina contra a doença ainda está sendo desenvolvida. “Precisamos remover qualquer barreira.”

Trump mencionou dois medicamentos. O Remdesivir, que é um remédio antiviral ainda em experimento pela Gilead Sciences Inc’s, e a hydroxychloroquina, um genérico contra a malária

O estoque de hydroxychloroquina, porém, está em baixa, de acordo com farmácias independentes e a ASHP (Sociedade Americana de Farmacêuticos do Sistema de Saúde, em tradução livre).  A sociedade, que mantém uma lista independente de remédios em falta, pretende incluir a hydroxychloroquina ainda nesta quinta, 19, afirmou Erin Fox, diretora-sênior de informação sobre medicamentos da Universidade de Utah e responsável pela elaboração da lista. 

Estudos sobre possíveis tratamentos contra o coronavírus já estão em andamento, e ainda não se sabe como a urgência de Trump poderia acelerar a chegada a uma resposta efetiva. “Isso pode ser um divisor de águas. Ou não”, afirmou o presidente americano. 

O comissário do FDA, Stephen Hahn, disse que a agência reguladora está trabalhando rapidamente para examinar todas as possibilidades. “Em curto prazo, estamos cogitando o uso de medicamentos já aprovados para outras indicações.”

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.