AP Photo/ Evan Vucci
AP Photo/ Evan Vucci

Trump quer usar combinação de antibiótico e remédio para malária no combate ao coronavírus

No Twitter, presidente dos EUA defendeu liberação imediata de hidroxicloroquina e azitromicina pela FDA

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de março de 2020 | 15h01

O presidente dos Estados Unidos Donald Trump usou suas redes sociais na manhã deste sábado, 21, para pedir o uso de hidroxicloroquina e azitromicina, remédios tipicamente usados no tratamento de malária e doenças respiratórias, no combate ao coronavírus. "Tomados juntos, eles têm a chance de se tornarem um dos maiores trunfos na história da medicina”, afirmou em sua conta oficial no Twitter. 

Trump afirmou ainda que a Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA, na sigla original), órgão encarregado pela proteção da saúde públicas nos EUA, “tem movido montanhas”, antes de pedir que os medicamentos sejam liberados “imediatamente”. “AS PESSOAS ESTÃO MORRENDO, SEJAM RÁPIDOS, e DEUS ABENÇOE TODOS", escreveu.

Na quinta-feira, 19, Trump já havia dito que a droga tem o potencial de “virar o jogo” do coronavírus. “Resultados iniciais se mostraram muito encorajadores e vamos ser capazes de tornar a droga disponível quase imediatamente”, disse, acrescentando na sequência que ela já tinha sido aprovada para esse uso pela FDA.

O diretor da agência, Stephen Hahn, porém, que estava ao lado de Trump na coletiva de imprensa, foi mais contido. Ele explicou que várias estratégias estão sendo testadas e disse que está considerando administrar cloroquina a grandes grupos de pacientes com coronavírus como parte de um “uso expandido” de um programa de testes clínicos, o que poderia permitir ao FDA coletar dados para medir se a substância de fato funciona.

De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, o país já registrou 15.219 (entre confirmados e suspeitos), com 201 óbitos. / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.