Divulgação/Viva Brotas Ecoparque
Divulgação/Viva Brotas Ecoparque

Turismo de aventura com máscara, a nova realidade de Brotas

Prática de rafting é permitida na cidade somente com uso do item de segurança. Conhecida por esportes radicais, Brotas tem 23 casos e um óbito pela covid-19

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

11 de julho de 2020 | 10h00

SOROCABA – A prática do rafting, descida em corredeiras com botes infláveis, ganhou um equipamento extra, além de roupas especiais, coletes salva-vidas e capacetes, em Brotas, no interior de São Paulo. Devido à pandemia do novo coronavírus, os praticantes são obrigados a usar máscara o tempo todo, desde os preparativos, até a saída do rio. Nesta sexta-feira, 10, a cidade de 25 mil habitantes, considerada a ‘capital do turismo de aventura’, foi promovida da fase vermelha para a laranja do Plano São Paulo de retomada das atividades, mas quase nada vai mudar para moradores e turistas.

 

Desde o início deste mês, a prefeitura vem executando um protocolo sanitário para a operação dos esportes de aventura que incluem ainda caminhadas em trilhas, boia cross (descida de rios sobre boias) e tirolesa. 

No rafting, por exemplo, botes de 13 pés – cerca de 4 metros – podem ser ocupados por no máximo seis pessoas para garantir distanciamento mínimo entre elas. Algumas manobras conhecidas pelos turistas, como a brincadeira do remo, o ‘escorrega’ e o surfe, estão suspensas, pois exigem a aproximação dos participantes e troca de equipamentos.

 Os proprietários de parque e operadoras de turismo ficaram responsáveis pela aplicação das medidas sanitárias, sob a fiscalização da prefeitura. Conforme o secretário municipal de turismo, Fabio Pontes, as medidas foram discutidas com os órgãos de saúde. “As pessoas podem voltar a se divertir em nossos destinos, mas sem deixar de tomar as precauções que as autoridades de saúde recomendam no enfrentamento ao coronavírus”, disse. A cidade tem 23 casos e um óbito pelo vírus.

Conforme o secretário, em algumas atividades aquáticas em que não é possível o uso da máscara, os participantes devem manter distância de três metros um do outro. As trilhas e parques ganharam higienizadores com álcool gel. Em todos os locais, incluindo ecoparques, hotéis, pousadas, bares e restaurantes, a lotação está limitada a 50% da capacidade. 

Antes da pandemia, a cidade recebia em média 300 mil turistas por ano. “Estamos confiantes na retomada forte do setor, aguardada ainda para este ano, no último semestre”, afirmou Pontes.


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.