Tutancâmon morreu em acidente de caça, diz documentário

Fratura da perna é considerada a pista final para a morte do jovem faraó, que reinou entre 1333 e 1324 a.C.

Efe,

22 de outubro de 2007 | 14h30

Os cientistas parecem ter resolvido o mistério sobre a morte de Tutancâmon e acreditam que o jovem faraó, que reinou entre 1333 e 1324 a.C., morreu ao cair de uma carroça enquanto caçava no deserto.   Segundo um documentário que será emitido na terça-feira pelo "Channel 5" da televisão britânica, recentes estudos com tomografia computadorizada revelam que o faraó sofreu uma fratura na perna esquerda, acima do joelho, antes de morrer.   As conjeturas sobre a morte de Tutancâmon começaram quando a tumba foi descoberta pelo arqueólogo Howard Carter, em 1922.   Estudos com raios-X feitos com a múmia do faraó em 1968 indicavam que havia uma inflamação na base do crânio, por isso se acreditava que o jovem morreu de um golpe na cabeça.   No entanto, segundo o documentário "Tutancâmon: Os Segredos do Rei Faraó", um especialista acredita que o caso finalmente foi resolvido.   "Ele não foi assassinado, como muitos pensavam. Sofreu um acidente quando caçava no deserto. Ao cair de uma carroça, fraturou a perna esquerda, e assim foi, na minha opinião, como morreu", afirmou o secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades do Egito, Zahi Hawass.   Até agora muitos historiadores consideravam que Tutancâmon era tratado como uma criança frágil que era protegida de perigos físicos, segundo o programa.   Nadia Lokma, especialista do Museu do Cairo, afirmou que as carroças encontradas no túmulo não eram usadas em cerimônias ou em guerras, mas para a caça.   As roupas encontradas no local, como um colete para protegê-lo, também sugerem que Tutancâmon estava acostumado a usá-las.   Estes resultados coincidem com a exposição que será realizada em novembro, em Londres, sobre os materiais achados no túmulo de Tutancâmon, 35 anos após outra no Museu Britânico para comemorar o 50º aniversário da descoberta.   Na exibição de 1972, 1,5 milhão de pessoas fizeram fila para ver a máscara funerária de ouro de Tutancâmon, que desta vez não será evada a Londres devido a sua fragilidade.   Tutancâmon e a Idade Dourada dos Faraó" poderá ser visitada a artir de 15 de novembro na Cúpula do Milênio, no sudeste de Londres.

Tudo o que sabemos sobre:
egitofaraótucancâmonarqueologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.