UE aprova indenização a agricultores prejudicados por E. coli

Espanha declarou que acha o valor da indenização, R$ 480 milhões, 'totalmente insuficiente'

Efe

14 Junho 2011 | 17h26

Bruxelas - A União Europeia (UE) aprovou nesta terça-feira a criação de um fundo especial com 210 milhões de euros (R$ 480 milhões) destinados à indenização dos agricultores prejudicados pelo surto da bactéria "E. coli", contrariando assim a postura de alguns países que consideram a quantia insuficiente.

Veja também:

som UE reconhece que sistema de alerta para alimentos perigosos não funciona

forum Especialista: 'Ainda não se sabe por que essa cepa prefere adultos jovens'

videoSaiba como se prevenir contra a bactéria E. coli

especialSaiba mais sobre causas e prevenção da infecção intestinal na Alemanha

O fundo foi aprovado durante um encontro do comitê de gestão da UE, que reúne especialistas dos 27 países-membros, informou à Agência Efe o secretário-geral de Meio Rural da Espanha, Eduardo Tamarit.

As compensações ficarão em torno de 50% das perdas sofridas pelos produtores que, como consequência da crise, se viram obrigados a retirar do mercado pepinos, tomates, alface, abobrinhas e pimentões.

A Espanha considera que o valor aprovado é "totalmente insuficiente", já que os agricultores espanhóis não têm "nenhuma responsabilidade" sobre o ocorrido, advertiu Tamarit. "Continuaremos defendendo nosso setor. Pediremos todas as compensações", acrescentou.

Além de Espanha, França, Polônia e Eslováquia também votaram contra o valor de 210 milhões de euros aprovado, assinalou Tamarit.

A Comissão Europeia, órgão executivo da UE, indicou em comunicado que a quantia final das indenizações será confirmada no dia 22 de julho, prazo final para os países apresentarem os pedidos de compensação, de acordo com os prejuízos sofridos por seus produtores.

Fontes da UE explicaram que só serão levadas em conta as perdas dos agricultores que tiveram de retirar produtos do mercado.

Mais conteúdo sobre:
bactéria E. coli infecção

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.