UE avalia que não há prova de que uso de celular cause câncer

'Entendemos que os pesquisadores não estavam em posição de identificar uma evidência causal entre os telefones celulares e o câncer', afirmou comissão

01 de junho de 2011 | 12h46

BRUXELAS - A Comissão Europeia afirmou nesta quarta-feira que não há evidências de que o uso de telefone celular possa causar câncer, como aponta um relatório apresentado nesta terça-feira pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

Veja também:

som Uso abusivo de celular pode estar ligado ao desenvolvimento de câncer

link OMS adverte para o possível risco de câncer cerebral pelo uso de celulares

 

A Comissão solicitou uma maior investigação após receber o estudo apresentado nesta terça-feira em Lyon (França) por uma equipe de cientistas da Agência Internacional para a Pesquisa sobre o Câncer (Iarc, na sigla em inglês) - que faz parte da OMS -, no qual foi apontado um possível vínculo entre o câncer e o uso de celulares.

 

O órgão lembrou em comunicado enviado à Agência Efe que um grupo de 31 cientistas avaliou os efeitos cancerígenos da exposição a campos de radiofrequência eletrônica, resultantes de um "uso intensivo de telefones celulares".

 

Os pesquisadores concluíram que "pode existir certo risco e portanto é necessário manter uma rigorosa vigilância sobre o vínculo entre os telefones celulares e o risco de câncer".

 

"Com este relatório, entendemos que os pesquisadores não estavam em posição de identificar uma evidência causal entre os telefones celulares e o câncer, e que são necessárias mais investigações", concluiu a Comissão.

 

Quanto às medidas de segurança adotadas na União Europeia para a telefonia celular, em 1999 foi adotada uma recomendação que proporcionava um marco comum para limitar a exposição do público aos campos eletromagnéticos.

 

Uma das iniciativas comunitárias para a segurança é o projeto Interphone, focado no estudo de três tipos de tumores cerebrais e sua possível relação com os celulares.

 

Este programa, o maior efetuado neste âmbito, "não registrou nenhum aumento do risco relacionado com um uso regular dos telefones celulares", lembrou a Comissão, apesar de considerar que devem ser incrementadas as pesquisas no "uso intensivo" dos aparelhos a longo prazo.

 

Na declaração divulgada nesta terça-feira, o grupo de trabalho OMS-Iarc apresentou um estudo que detectou um aumento de 40% no risco de tumores entre os usuários que utilizavam o celular com uma frequência de meia hora ao dia, em um período de dez anos seguidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.