UE oferece ajuda de R$ 345 milhões para produtores prejudicados pelo E.coli

Segundo proposta, podutores poderão receber até 30% do valor de legumes e verduras que não puderem ser comercializadas

BBC Brasil, BBC

07 Junho 2011 | 09h45

A União Europeia deve oferecer uma ajuda financeira de 150 milhões de euros (cerca de R$ 345 milhões) para os produtores agrícolas do continente prejudicados pelo surto de infecções com a bactéria E.coli.

Veja também:

link Sobe para 25 o número de mortos pela bactéria E.coli

forum Especialista: ''Ainda não se sabe por que essa cepa prefere adultos jovens''

video  Saiba como se prevenir contra a bactéria E. coli

especial Saiba mais sobre causas e prevenção da infecção intestinal na Alemanha

A afirmação foi feita pelo comissário da UE para a Agricultura, Dacian Ciolos, antes da reunião de emergência entre os ministros da Agricultura de todos os países do bloco para discutir a questão na tarde desta terça-feira, em Luxemburgo.

Segundo Ciolos, os ministros devem analisar a possibilidade de os produtores receberem dos cofres da União Europeia até 30% do custo dos legumes e verduras que não puderem ser vendidos por causa da crise.

A Rússia, principal comprador de legumes e verduras produzidos pelos países do bloco, anunciou na semana passada a suspensão de todas as importações.

Mais de 2.200 pessoas em 12 países já apresentaram sintomas de infecções intestinais provocadas pela bactéria. Os casos registrados fora da Alemanha são de pessoas que moram ou viajaram ao país.

Das mortes registradas, apenas uma ocorreu fora da Alemanha, na Suécia.

Fonte

As autoridades alemãs inicialmente responsabilizaram pepinos importados da Espanha como foco da infecção, mas depois afirmaram que testes haviam descartado a possibilidade.

No último fim de semana, uma fazenda orgânica produtora de brotos de feijão para saladas perto de Hamburgo foi identificada como possível origem do foco, mas testes preliminares não comprovaram até agora a presença da bactéria no local.

Na manhã desta terça-feira, em discurso no Parlamento europeu, em Estrasburgo, na França, o comissário da UE para a Saúde, John Dalli, havia pedido à Alemanha que não divulgasse mais informações não confirmadas sobre a origem do surto, para não criar alarmes infundados.

A Espanha diz que vai exigir da Alemanha uma compensação por 100% das perdas verificadas pelos seus produtores após a acusação falsa contra os pepinos exportados pelo país.

A associação espanhola de exportadores de frutas e hortaliças estima as perdas em 225 milhões de euros (cerca de R$ 520 milhões) por semana.

Após a fala de Dalli no Parlamento, o deputado espanhol Francisco Sosa-Wagner discursou segurando um pepino e afirmou: "Precisamos restaurar a honra do pepino". BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.