UE retira sementes egípcias de mercado e para importação

Só na Alemanha, bactéria E. coli já infectou quase 4 mil pessoas desde maio

Gabriel Bueno - AE

05 Julho 2011 | 12h47

Bruxelas - A União Europeia decidiu nesta terça-feira retirar do mercado todas as sementes egípcias de feno-grego e ainda interromper a importação de todas as sementes e vagens para germinação do Egito até 31 de outubro. A decisão é tomada após a Autoridade de Segurança Alimentar Europeia advertir que as sementes de feno-grego egípcias são a causa provável das recentes contaminações pela bactéria Escherichia coli (E.coli) na Alemanha e na França, informou a Comissão Europeia.

"O relatório publicado hoje nos leva a retirar algumas sementes egípcias do mercado da UE e a temporariamente interromper as importações de todas sementes e vagens originárias daquele país", afirmou o comissário para a Saúde e Defesa do Consumidor da UE, John Dalli, em comunicado. "A comissão continuará a monitorar a situação de perto e tomará medidas adicionais, se necessário."

Até agora, a bactéria foi apontada como responsável por 48 mortes, apenas uma delas na Suécia e todas as outras na Alemanha. Na semana passada, o Instituto Robert Koch, da Alemanha, informou que a bactéria já deixou 3.901 pessoas doentes no país, sendo 838 delas em estado grave. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
bactéria infecção E. coli

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.