UFMG cria armadilha para combater mosquito da dengue

A tecnologia declarou guerra contra a dengue. Um sistema criado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) tem obtido sucesso no combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da doença. A novidade já foi exportada para Austrália, Alemanha, Cingapura, Panamá, França e Itália. A solução é formada por três partes que, juntas, formam uma armadilha. A primeira, de nome MosquiTRAP, é um recipiente preto que abriga a segunda parte, o AtrAEDES, produto em forma de pastilha que libera um odor para atrair o mosquito. Ao entrar na armadilha, o inseto fica preso a um cartão adesivo e não consegue depositar ovos, impedindo a proliferação das larvas. A quantidade de mosquitos capturados no cartão adesivo em determinado período é utilizada para identificar a concentração do inseto na região onde o sistema foi instalado. Utilizando um computador de mão, as informações são recolhidas por agentes de campo e transferidas para a terceira parte do sistema, o software MI-Dengue. O programa gera uma série de mapas georrefenciados sobre a distribuição do Aedes aegypti. ?Os dados são transmitidos via internet para uma central de monitoramento que, semanalmente, gera relatórios sobre os locais mais infestados da cidade e que são os mais vulneráveis à ocorrência de uma epidemia?, disse Álvaro Eduardo Eiras, coordenador do projeto e professor da UFMG. O objetivo é fazer com que as informações coletadas na armadilha, desenvolvida no Laboratório de Culicídeos do Instituto de Ciências Biológicas (ICB), favoreçam a adoção de novas políticas de combate à doença pelas autoridades locais, evitando o surgimento de uma epidemia. ?Além de matar os mosquitos, o sistema detecta as áreas de maior risco para a tomada de ações mais eficazes. A participação da sociedade por meio de campanhas de conscientização continua sendo fundamental?, ressalta o biólogo. No Brasil, a solução vem sendo aplicada em municípios como Manaus, Boa Vista, Fortaleza, Natal, Goiânia, Rio de Janeiro, Foz do Iguaçu e Blumenau. Com base nesses resultados, a equipe da UFMG está elaborando um documento que será enviado ao Ministério da Saúde. ?Nossa intenção é aplicar as armadilhas nas cidades que mais sofrem com surtos de dengue?, afirma Eiras. O sistema foi patenteado pela UFMG e licenciado pela empresa Ecovec, com sede em Belo Horizonte. ?É uma tecnologia que ultrapassou as fronteiras da academia e está sendo utilizada em benefício da sociedade?, disse Eiras. As informações são da Agência Fapesp.

Agencia Estado,

14 de junho de 2006 | 11h33

Tudo o que sabemos sobre:
notícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.