Andreas Gebert/Reuters
Andreas Gebert/Reuters
Imagem Fernando Reinach
Colunista
Fernando Reinach
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Um negócio da China

Brasil se transformou num dos países em que somente uma vacina pode salvar dezenas de milhares de vidas

Fernando Reinach, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2020 | 11h33

Com o relaxamento prematuro da quarentena no Brasil, o que não vai faltar são pessoas infectadas pelo novo coronavírus. Por esse triste motivo o Brasil não só se tornou o local ideal para testar novas vacinas, como se transformou num dos países em que somente uma vacina pode salvar a vida de dezenas de milhares de pessoas. Foi nesse ambiente que o governo do Estado de São Paulo, através do Instituto Butantã, está assinando um contrato com a empresa chinesa Sinovac Biotech. O acordo, que ainda não foi divulgado na íntegra, é o seguinte: o governo de São Paulo recruta os voluntários para os testes de uma vacina que está sendo desenvolvida pela Sinovac e paga os custos de todo o ensaio clínico fase III. Algo que deve custar por volta de R$ 100 milhões (os valores finais não foram divulgados). Em troca, o Instituto Butantã terá o direito, caso os testes comprovem a eficácia da vacina, a construir uma fábrica da vacina no Estado de São Paulo e a produzir um número ainda não divulgado de doses sem ser obrigado a pagar os direitos de propriedade intelectual para a Sinovac. 

Esse é um negócio da China, seguramente para a Sinovac, que conseguiu um financiador e os pacientes para testar seu produto a custo zero. E talvez também para o Brasil, pois caso a vacina comprove sua eficiência o Butantã poderá produzi-la localmente. Em suma, estamos pagando agora por um produto que ainda não existe. Esse é mais um dos custos de não termos conseguido controlar a propagação do vírus.

A questão é saber quais as chances dessa aposta dar certo, e isso depende de os ensaios clínicos demonstrarem que a vacina funciona, e do Butantã ser capaz de produzir a vacina o mais rápido possível a um custo razoável.

A vacina da Sinovac é feita a partir de partículas virais de SARS-CoV-2 inativadas, uma técnica clássica que comprovadamente funcionou para diversos vírus e é usada em todo o mundo. Sem dúvida isso aumenta as chances de sucesso. Mas ela tem suas dificuldades. Para produzir o vírus em grande quantidade, primeiro a Sinovac isolou amostras de vírus de diversos pacientes e desenvolveu um método para infectar células cultivadas in vitro (fora de um ser vivo). As células escolhidas são derivadas de um macaco e se chamam células Vero. Elas se dividem bem fora do corpo do macaco e são aparentemente imortais pois não envelhecem. As células são crescidas em um meio de cultura e inoculadas com o vírus, passando a produzir grande quantidade de partículas de SARS-CoV-2.

Após um certo tempo, todo o meio de cultura é retirado e o vírus é inativado com um composto químico para que não provoque a doença quando injetado em seres humanos. Depois o vírus é purificado para retirar todos os restos das células de macaco. Feito isso, o vírus inativado é combinado com estabilizantes e colocado em frascos. A vacina está pronta. O principal problema dessa metodologia é a preocupação com o aparecimento de mutações durante a replicação do vírus por muito tempo nas células de macaco. De fato, os cientistas descobriram que algumas mutações apareceram durante os primeiros cultivos, mas foram poucas, e o vírus aparentemente cresce bem e não se altera muito quando se reproduz nas células de macaco. Outro problema é que o cultivo de células Vero é um processo industrial complicado, de custo alto e difícil de escalar para grandes volumes. Além disso, a fábrica estará produzindo uma grande quantidade de partículas virais capazes de produzir a covid-19 e contaminar os funcionários, o que torna importante que a fábrica seja bem isolada. Todos esses problemas são bem conhecidos, mas podem tornar essa vacina muito mais cara que as concorrentes e mais difícil de produzir em larga escala.

A Sinovac já está construindo na China uma fábrica para produzir 100 milhões de doses da vacina por ano, o que é uma boa notícia pois o Butantã poderá simplesmente copiar essa fábrica se a vacina e o processo fabril funcionarem bem. Para vacinar todo o Brasil em um ano, serão necessárias duas fábricas dessas em pleno funcionamento. Imagine que o teste da fase III da vacina seja bem-sucedido, mas demore seis a 12 meses. Se iniciarmos a construção da fábrica nesse momento talvez leve mais um ano para ela estar produzindo, ou seja, teremos as primeiras doses daqui a 18 ou 24 meses. Outra possibilidade é o Butantã começar a construção da fábrica antes dos testes terminarem, mas esse é outro risco, pois, se a vacina não funcionar, todo o investimento nos ensaios da fase III e na fábrica irão para o lixo. 

Finalmente o último risco. O Butantã é um grande produtor de vacinas, mas não tem um histórico de cumprir prazos ou ser eficiente. Ele prometeu uma vacina para a Zika, para a Dengue e a cada nova epidemia promete produzir uma vacina rapidamente. Infelizmente isso nunca aconteceu. As razões são várias, mas uma delas é o fato de ser um órgão público, pouco eficiente, onde vários casos de mau uso dos recursos são bem conhecidos.

O fato é que o Brasil, por não ter conseguido controlar o vírus, se colocou no corner, e quando você está no corner, a única solução é correr riscos. Riscos que países que controlaram o vírus não precisam correr. Mas isso é o Brasil. Vamos torcer para que esse acordo seja um negócio da China também para os brasileiros.

Mais informações em Development of an inactivated vaccine candidate for SARS-CoV-2. Science

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.