Um terço dos cachorros-quentes vendidos em SP tem bactérias

Estudo com vendedores motorizados revela que amostras tinham microorganismos causadores de diarreia

estadão.com.br

15 Julho 2010 | 18h24

SÃO PAULO - A Vigilância Sanitária Municipal de São Paulo, órgão da Coordenação de Vigilância em Saúde (Covisa), fez um estudo com vendedores de cachorro-quente motorizados na capital, entre janeiro e março de 2010, e constatou que 26,66% das 30 amostras analisadas tinham bactérias como coliformes termotolerantes e estafilococos coagulase, que podem causar diarreia.

O estudo foi acompanhado pela Proteste e revelou também que os carrinhos não mantinham temperatura adequada para conservar os produtos nem documentação para funcionar (em 33,33% dos casos).

Além do problema com a temperatura, foram identificados problemas quanto à higiene da manipulação dos hot dogs pelos proprietários dos veículos. Os técnicos da Covisa avaliaram as condições higiênico-sanitárias das instalações e a preparação dos lanches enviados para análise microbiológica.

Os dogueiros também responderam a um questionário sobre aspectos de higiene e manipulação de alimentos.

Na cidade de São Paulo existe legislação específica para regular a atividade de dogueiro motorizado (decreto 42.242 de agosto de 2002). Ao todo, 434 profissionais estão cadastrados na Covisa.

A coordenação dará continuidade ao estudo, com coleta de amostras das mãos dos manipuladores e avaliação dos utensílios utilizados. A Covida quer intensificar a divulgação de cursos de boas práticas aos dogueiros motorizados.

O trabalho de fiscalização com dogueiros motorizados é realizado diariamente pelos técnicos.

Orientações aos consumidores:

Observações nos pontos de venda para um consumo mais seguro:

- O atendente não pode manipular alimentos e dinheiro ao mesmo tempo;

- Os molhos e condimentos (como catchup e maionese) devem ser oferecidos em sachê ou em embalagens fechadas e etiquetadas, mantidas sob refrigeração;

- Não deve haver caixas de madeira ou papelão na área de manipulação;

- As unhas do dogueiro devem ser curtas e limpas;

- A barba deve estar feita ou aparada;

- É proibido tossir, espirrar ou falar em cima dos alimentos;

- As luvas devem ser substituídas por outras após troca de função - como preparar o cachorro-quente e pegar uma lata de bebida logo em seguida;

- É importante usar toalha de papel no lugar de pano de prato para secar utensílios;

- A salsicha deve ser armazenada em alta temperatura (acima de 65ºC) e não em temperatura ambiente;

- Acompanhamentos como milho, ervilha, queijo ralado, purê de batata e molho vinagrete devem ser refrigerados;

- A lixeira deve ser de acionamento por pedal e com tampa;

- Os manipuladores devem usar toucas para evitar que caia cabelo nos alimentos.

Mais conteúdo sobre:
cachorro-quentebactérias

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.