Divulgação/ Unesp
Divulgação/ Unesp

Unesp e Embraer se unem para aplicar 40 mil testes da covid-19 no interior de SP

Aplicação em massa é importante para orientar as políticas de combate ao coronavírus, como o ajuste das medidas de distanciamento social

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2020 | 12h53


SOROCABA - A Universidade Estadual Paulista (Unesp) e a empresa aeronáutica Embraer firmaram parceria para aplicar 40 mil testes de diagnóstico da covid-19 em três regiões do interior de São Paulo. A aplicação de testes em massa é considerada importante para orientar as políticas de combate ao coronavírus, inclusive para o ajuste das medidas de distanciamento social. Os testes serão aplicados nas regiões de São José dos Campos, Araraquara e Botucatu, onde tanto a Embraer quando a Unesp possuem unidades.

A empresa vai doar R$ 4 milhões para custear a aplicação dos testes, que será feito pela universidade. O trabalho de coleta de material, realização dos testes e processamento das informações devem durar seis meses. O material coletado será enviado para os laboratórios da Unesp dedicados ao processamento da metodologia RT-PCR (teste molecular), considerado de alto padrão de confiabilidade para o diagnóstico do vírus. A expectativa é de que os testes saiam em até 16 horas após o recebimento das amostras pelo laboratório.

Conforme o pró-reitor de pesquisa da Unesp, Carlos Graeff, esse estudo começa no momento em que o número de casos da covid-19 cresce mais no interior paulista. "Sabemos que o diagnóstico rápido e preciso é um elemento importante para o tratamento correto dos pacientes. Vamos fornecer uma informação valiosa para as prefeituras das cidades dessas regiões envolvidas", disse. As prefeituras irão colaborar com a logística de coleta e transporte de exames para os laboratórios.

A parceria vai permitir à Unesp a compra de robôs para a extração e purificação de componentes genéticos do vírus (RNA viral) na etapa inicial do processamento dos testes moleculares em alguns laboratórios da Unesp. De acordo com o professor João Pessoa Araújo Junior, do Instituto de Biotecnologia da Unesp em Botucatu, esse recurso vai aumentar a capacidade de diagnóstico, já que essa é uma das etapas mais demoradas do processo. Segundo ele, o início dos trabalhos será imediato, pois foram adiantadas as compras de reagentes, insumos e outros materiais para os testes.

A força-tarefa para a logística de coleta e transporte das amostras também está montada. "O aumento no número de diagnósticos pode nos dar a real visibilidade do que está acontecendo na população. A partir da testagem, medidas de controle da pandemia podem ser refinadas", disse. Dados da Secretaria da Saúde do Estado atualizados neste domingo, 3, indicam que a doença passou a se expandir mais no interior e litoral, após atingir números altos na capital e região metropolitana Atualmente, 332 cidades paulistas registram casos confirmados da doença e em 153 já houve ao menos uma morte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.