Renato César Pereira/Futura Press
Renato César Pereira/Futura Press

Unicamp confirma surto de caxumba

Em menos de um mês foram nove notificações na Faculdade de Engenharia Química; horário de vacinação no câmpus foi ampliado

Guilherme Mazieiro, especial para O Estado de S. Paulo

24 Setembro 2015 | 18h55

CAMPINAS - A reitoria da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) confirmou nesta quinta-feira, 24, que enfrenta um surto de caxumba na Faculdade de Engenharia Química (FEQ). Em menos de um mês foram nove notificações nessa unidade. Desde o começo do ano, a reitoria já contabiliza 15 ocorrências no câmpus. As aulas e outras atividades não foram suspensas.

O primeiro caso notificado na FEQ foi no dia 26 de agosto e o nono, na quarta-feira, dia 23. Nesta semana a Secretaria de Graduação encaminhou e-mails aos estudantes para relatar as ocorrências e informar locais de vacinação no câmpus. Em um dos comunicados, a Unicamp pedia que a informação fosse repassada "urgentemente aos alunos de pós-graduação", em razão de alunos da graduação terem apresentado a doença.

O aluno do quinto ano de graduação da FEQ, João Victor Guerra, recebeu dois e-mails da direção da Faculdade e afirmou que não se surpreendeu com o surto, mas tomou um reforço da vacina. "Me senti seguro apesar da informação, pois vi que a vacina era a proteção correta e é oferecida na Unicamp", avaliou.

A instituição informou por nota que ampliou o período de vacinação da Tríplice viral (contra sarampo, caxumba e rubéola) para todos os dias da semana, no horário entre às 8h30 e às 17h30. A vacinação gratuita é destinada para alunos e servidores do câmpus.

A caxumba é uma doença viral caracterizada por febre e aumento do volume das glândulas salivares. A transmissão acontece por contato com secreções por vias aéreas.

Mais conteúdo sobre:
Unicampcaxumba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.