REUTERS/Bernardo Montoya
REUTERS/Bernardo Montoya

Unicef alerta sobre surto global de sarampo e Brasil está entre responsáveis por aumento de casos

Órgão diz que 98 países tiveram mais casos da doença no ano passado do que em 2017; vacina é forma de prevenção

Paula Felix, O Estado de S. Paulo

01 de março de 2019 | 12h43

SÃO PAULO - Após analisar os dados sobre sarampo de 194 países nos anos de 2017 e 2018, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) emitiu um alerta nesta quinta-feira, 28, sobre o aumento de casos da doença no mundo. Segundo o órgão, há um surto global puxado por dez países que tiveram aumento nos registros no período. Entre eles, está o Brasil, que obteve o certificado de erradicação da doença há três anos e estava sem registros até 2017, mas superou os 10,2 mil casos no ano passado.

A entidade diz que 98 países reportaram mais casos da doença no ano passado do que em 2017 e dez foram responsáveis por mais de 74% do aumento dos registros no mundo: Ucrânia, Filipinas, Brasil, Iêmen e Venezuela foram os países que tiveram o crescimento mais expressivo no número de ocorrências da doença na comparação entre os anos de 2017 e 2018. Sérvia, Madagascar, Sudão, Tailândia e França. Campanhas de vacinação estão sendo conduzidas em alguns desses países.

Os dados de 2019 também foram destacados pela entidade. De acordo com o Unicef, no ano passado, a Ucrânia registrou 35.120 casos em 2018. Neste ano, já há o registro de 24.042 pessoas infectadas pelo vírus. No caso das Filipinas, até 18 de fevereiro, houve 12.736 casos da doença e 203 mortes. Em todo o ano passado, foram 15.599 registros.

A doença, segundo o órgão, é altamente contagiosa e a pessoa pode ser infectada até duas horas depois de uma pessoa com o vírus ter saído do local. O risco maior é para crianças malnutridas e bebês que ainda não foram imunizados. Não há tratamento para o sarampo.

A vacina deve ser aplicada em duas doses: uma aos 12 meses e a outra, aos 15 meses. Crianças de 5 anos a 9 anos de idade que não foram vacinadas devem tomar duas doses. Para pessoas de 10 a 29 anos, a indicação é de duas doses. Quem tem entre 30 e 49 anos, só precisa tomar uma dose da vacina tríplice viral (contra sarampocaxumba e rubéola).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.