EFE/EPA/ CHINA
EFE/EPA/ CHINA

Unir-se para vencer a batalha contra o novo coronavírus

Ficamos angustiados com a proliferação da epidemia, mas ficamos também comovidos pela dedicação dos médicos e enfermeiros, aliviados com o primeiro hospital especializado para infectados e inclusive orgulhosos pela solidariedade e resistência do nosso povo

Tian Yuzhen*, O Estado de S.Paulo

16 de fevereiro de 2020 | 05h00

Neste momento, na China está ocorrendo uma grande batalha contra a epidemia que chamou a atenção da comunidade internacional. Essa batalha que transformou a cidade de Wuhan em um foco principal no cenário mundial também revelou a velocidade da China, a responsabilidade, além da solidariedade do povo chinês.

Aqui no Brasil, eu e os colegas do consulado, a nossa comunidade, o nosso coração e a nossa alma ficam juntos com nosso país e nosso povo. Ficamos angustiados com a proliferação da epidemia, mas ficamos também comovidos pela dedicação dos médicos e enfermeiros, aliviados com o primeiro hospital especializado para infectados, construído em dez dias, e inclusive orgulhosos pela solidariedade e resistência do nosso povo.

Colocando em primeiro lugar a vida e bem-estar do povo, o governo chinês adotou rapidamente uma série de medidas decisivas e fortes para conter a propagação do vírus. Um sistema pleno de prevenção e controle no nível central e local foi adotado na China, focando na cidade de Wuhan da província de Hubei. Além disso, estamos mobilizando os recursos médicos no âmbito nacional, para tratar os infectados, bem como conter e mitigar a epidemia de maneira científica e coordenada.

Para conter o surto, a China tem tomado medidas de prevenção e controle bem abrangentes, inclusive muitas delas mais rigorosas do que é requerido no Regulamento Sanitário Internacional, razão pela qual o dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, declarou que de muitas formas a China está definindo um novo padrão de resposta a surtos. 

A China, tomando uma atitude aberta, transparente e responsável, tem se comunicado tempestivamente com a OMS e a comunidade internacional sobre o surto da epidemia, compartilhando informações técnicas como a sequência genética do vírus, e atendendo às preocupações do mundo.

Enfrentando a crise de saúde pública, os países devem se unir para conquistar as dificuldades com solidariedade, em vez de ter prazer no infortúnio dos outros e piorar a situação. As pessoas devem ter uma atitude científica, racional e justa, em vez de acreditar, divulgar e até inventar rumores. Pedimos à comunidade internacional para avaliar a epidemia de maneira racional, justa, calma e prudente, seguir o conselho profissional emitido pela OMS para enfrentar a epidemia junto à China e salvaguardar a segurança global da saúde pública.

É na dificuldade que conhecemos os verdadeiros amigos. Nessa crise, o governo chinês e seu povo têm recebido solidariedade e apoio enviado por diversos meios pelos nossos amigos brasileiros, incluindo o presidente brasileiro Jair Bolsonaro. Vamos guardar no nosso coração para sempre tudo isso, que merece o nosso sincero agradecimento.

Acreditamos que contando com vantagens robustas do regime chinês, com as largas experiências acumuladas nos anteriores episódios na área de saúde pública, com reserva de todos os recursos disponíveis e as tecnologias científicas avançadas formadas progressivamente nos 70 anos da história da República Popular da China, e também com o apoio sólido da comunidade internacional, a China, com certeza vencerá essa batalha contra o surto do novo coronavírus.

É CÔNSUL-GERAL INTERINO DA CHINA EM SÃO PAULO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.