Universidade da Rússia conclui testes clínicos e é país mais próximo da vacina para covid-19

Os testes com a vacina começaram no dia 18 de junho, quando o primeiro grupo, de 18 voluntários, recebeu a imunização

Redação - O Estado de S.Paulo

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar por R$ 0,99

Você leu 4 de 5 matérias gratuitas do mês

ou Assinar por R$ 0,99

Essa é sua última matéria grátis do mês

ou Assinar por R$ 0,99

<divclass="embed-externo">

</div>

Ver mais

A Rússia anunciou no último domingo, 12, que concluiu a primeira fase de testes de uma vacina contra a covid-19. O País está mais perto de se tornar o primeiro a iniciar a distribuição de uma vacina contra o coronavírus para a população.

Vacina de Oxford não provocou efeitos colaterais graves e desenvolveu respostas imunes a anticorpos e células T. Foto: Andreas Gebert/Reuters

"A pesquisa foi concluída e provou que a vacina é segura", disse Yelena Smolyarchuk, chefe do centro de pesquisas clínicas da Universidade Sechenov, à agência de notícias estatal TASS.

Os testes com a vacina começaram no dia 18 de junho, quando o primeiro grupo, de 18 voluntários, recebeu a imunização. Cinco dias depois, no dia 23, mais 20 pessoas receberam a dose, também deste tipo.

"Os voluntários receberão alta nos dias 15 e 20 de julho", disse Smolyarchuk, chefe do Centro de Pesquisa Clínica em Medicamentos da Universidade Sechenov. Segundo a pesquisadora, os voluntários permanecerão sob supervisão médica em regime ambulatorial após receberem alta.

Atualmente, três pesquisas - Reino Unido, China e Estados Unidos - lideram a corrida. Cientistas explicam que dizer que uma vacina é a mais promissora ou é a mais adiantada significa que ela se mostrou eficaz em mais etapas dos testes pré-clínicos (animais) e clínicos (humanos). Mas não significa necessariamente que ela seja a mais próxima de ser bem-sucedida. 

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato