Uruguai tem a taxa mais alta de aceitação de aborto da América Latina

Os que mais justificam ato são homens jovens, com alto nível educacional e baixa religiosidade

Efe

30 Novembro 2010 | 17h02

MONTEVIDÉU - O Uruguai registra a taxa mais alta de aceitação de aborto da América Latina e do Caribe, segundo aponta o levantamento "Opinião cidadã sobre o aborto: Uruguai e América Latina", realizado pela Universidade da República e divulgado nesta terça-feira, 30.

A pesquisa, desenvolvida pela faculdade de Ciências Sociais, analisa os dados do último Latinobarômetro, um estudo de opinião pública aplicado anualmente com 20 mil entrevistados em 18 países da América Latina e do Caribe.

De acordo com o relatório, a premissa da consulta foi "Diga-me se você acredita que sempre se pode ou nunca se pode justificar o aborto - ou se sua opinião está em algum ponto intermediário, em que 1 significa 'nunca se justifica' e 10, 'sempre'".

Depois do Uruguai, que lidera o ranking de aceitação, com média de 4,13 pontos - apesar de que a prática ser penalizada por lei -, os países onde existe uma mais alta justificativa são Argentina (2,99), México (2,53), Nicarágua (2,35) e Brasil (2,27).

Em toda a região, os indivíduos que mais justificam o aborto são homens com menos de 40 anos, alto nível educacional e baixa religiosidade. Segundo dados publicados recentemente pela ONG Mulher e Saúde no Uruguai, a cada 20 minutos é feito um aborto clandestino no país.

Mais conteúdo sobre:
abortoUruguaiAmérica Latina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.