REUTERS/Ali Jarekji
REUTERS/Ali Jarekji

Uso de antidepressivo na gravidez eleva risco de autismo em 87%

Estudo analisou 145 mil gestações no Canadá durante 10 anos e revelou associação nos 2 últimos trimestres de gravidez

Fábio de Castro, O Estado de S. Paulo

14 Dezembro 2015 | 21h16

O uso de antidepressivos nos dois trimestres finais da gravidez aumenta em 87% o risco de autismo para a criança, de acordo com um novo estudo publicado nesta segunda-feira, 14. A pesquisa, realizada por cientistas da Universidade de Montreal, no Canadá, baseou-se na análise de dados sobre mais de 145 mil gestações.

Os resultados da pesquisa, coordenada por Anick Bérard, foram publicados na revista Jama Pediatrics, da Associação Médica Americana. Segundo a pesquisadora, os antidepressivos são amplamente utilizados durante a gravidez no tratamento da doença. “De 6% a 10% das mulheres grávidas estão sendo tratadas com antidepressivos”, disse Anick ao Estado.

Os cientistas analisaram dados de crianças nascidas na província canadense de Québec entre janeiro de 1998 e dezembro de 2009. Dos 145.456 bebês nascidos vivos, 1.054 (0,7%) foram diagnosticados com autismo. A maior parte delas foi acompanhada pelos cientistas até os 10 anos. Os diagnósticos foram feitos, em média, aos 4,6 anos.

Do total de bebês avaliados, 4.724 (3,2%) foram expostos a antidepressivos quando estavam no útero. Destes, 4.200 foram expostos no primeiro trimestre e 2.532 foram expostos no segundo ou no terceiro trimestre da gravidez. Entre as crianças expostas ao medicamento no primeiro trimestre, 40 foram diagnosticadas com autismo. Já no segundo e terceiro trimestres, 31 apresentaram a doença.

Segundo Anick, as causas do autismo ainda não estão claras, mas sabe-se que tanto a genética como o ambiente têm seu papel. “Nosso estudo mostra que tomar antidepressivos no segundo ou terceiro trimestre de gravidez quase dobra o risco de que a criança seja diagnosticada com autismo por volta dos sete anos”, afirmou a pesquisadora.

Risco. “Normalmente, pensamos que o primeiro trimestre da gravidez é o mais arriscado para o feto. De fato, é um período problemático para a formação do embrião. Mas o segundo e terceiro trimestres são cruciais para o desenvolvimento do cérebro”, explicou a pesquisadora.

Segundo o estudo, a associação entre o autismo e o medicamento aparece especialmente quando há utilização de uma classe específica de antidepressivos: os inibidores seletivos da recaptação da serotonina. 

“A depressão é uma doença séria e nosso estudo não está defendendo que mulheres grávidas não se tratem. Mas é preciso informá-las. O uso de antidepressivos é apenas um dos tratamentos possíveis”, disse.

Mais conteúdo sobre:
Canadá

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.