Uso de antipsicóticos por crianças cresce 73% nos EUA

O número de crianças tomando remédios antipsicóticos cresceu 73% no período de quatro anos encerrado em 2005, superando de longe o aumento em adultos, de acordo com um relatório da Medco Health Solutions Inc., divulgado nesta terça-feira. O uso de uma nova classe de drogas, conhecidas como antipsicóticos atípicos, por pessoas de até 19 anos aumentou 80% no mesmo período, de acordo com a empresa, uma administradora de benefícios farmacêuticos. A prescrição de medicamentos antipsicóticos para essa faixa etária consiste em uma quantidade relativamente pequena do total desses remédios, segundo a Medco. A empresa não forneceu a porcentagem. Ainda assim, o aumento é notável porque os poderosos medicamentos são destinados a indivíduos com psicoses sérias, como esquizofrenia. Isso gera a preocupação de que os remédios não estejam sendo sempre receitados apropriadamente, disse Amita Dasmanapatra, diretora de assuntos médicos da Medco. De acordo com ela, é possível que alguns médicos estejam prescrevendo os medicamentos para crianças com problemas comportamentais, que seriam melhor controlados por outras medidas. A análise da Medco, envolvendo mais de 2 milhões de americanos, não explorou as razões do aumento. Os antipsicóticos atípicos não são vistos como adequados para o uso em crianças, apesar de os médicos serem livres para prescrever esse tipo de medicamento se virem necessidade. O número de crianças que tomam antipsicóticos aumentou de 3,81 por mil, em 2001, para 6,6 por mil em 2005. Em contraste, 11 adultos por mil estavam tomando um dos medicamentos. O número de adultos tratados com antipsicóticos aumentou 13% entre 2001 e 2005.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.