Uso prolongado de maconha dobra risco de psicose, diz estudo

Descoberta de pesquisadores australianos suscitará maiores debates sobre o nível de seu uso controlado

Reuters,

01 Março 2010 | 14h57

Jovens que fumam cannabis ou maconha por seis anos têm o dobro da probabilidade de sofrer episódios psicóticos, alucinações ou delírios do que pessoas que nunca usaram a droga, informaram cientistas nesta segunda-feira, 1.

 

Veja também:

linkUso abusivo de medicamentos supera o de drogas, diz ONU

linkUSP testa componente da maconha contra mal de Parkinson

linkLos Angeles restringirá venda de maconha para fins médicos 

 

As descobertas fortalecem uma pesquisa anterior que relacionam psicose à droga, particularmente em sua forma mais potente, o skunk, e suscitará maiores debates sobre o nível de controle de seu uso.

 

Apesar de leis que a proíbem, cerca de 190 milhões de pessoas no mundo são usuário de maconha, segundo estimativas das Nações Unidas, o que equivale a 4% da população adulta.

 

John McGrath, do Instituto Neurológico de Queensland, na Austrália, estudou mais de 3.801 homens e mulheres nascidos entre 1981 e 1984 e os acompanhou após 21 anos para perguntar-lhes sobre seu uso de maconha, avaliando os pacientes para episódios psicóticos. Cerca de 18% relataram uso de maconha durante três anos ou menos, 16% de quatro a cinco anos e 14% durante seis ou mais anos.

 

"Comparados aos que nunca haviam usado cannabis, jovens adultos que tinham seis ou mais anos desde o primeiro uso de maconha tinham duas vezes mais chances de desenvolverem psicose não-afetiva (como esquizofrenia)", disse McGrath em um estudo publicado na revista de psiquiatria Archives of General Psychiatry.

 

Tinham também quatro vezes maior probabilidade de obterem resultados altos nos testes de delírio, relatou, e um chamado relacionamento "resposta-dosagem" mostrava que quanto maior o tempo desde o primeiro uso de cannabis, mais alto o risco de sintomas relacionados à psicose.

 

Um estudo realizado por um cientista britânico no ano passado sugeria que a maioria das pessoas que fumam skunk, forma potente de cannabis, tem sete vezes mais chances de desenvolver doenças psicóticas como esquizofrenia dos que pessoas que fumam "haxixe" ou resina de Cannabis.

 

Estudos anteriores também sugeriam que fumar maconha poderia dobrar o risco de desenvolver psicose, mas a recente pesquisa britânica foi a primeira a observar especificamente os efeitos do skunk. O skunk tem maiores quantidades do ingrediente psicoativo THC que pode produzir sintomas psicóticos como alucinações, delírios e paranoia.

Mais conteúdo sobre:
maconha uso prolongado psicose estudo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.