USP terá de explicar participação em pesquisa sobre malária

O Ministério Público abriu ontem investigação sobre a participação da Universidade de São Paulo (USP) na pesquisa que submeteu um grupo de ribeirinhos de São Raimundo do Pirativa, no Amapá, às picadas do mosquito transmissor da malária. Eles recebiam, em troca, R$ 12. A pesquisa também está sendo investigada por uma comissão do Ministério da Saúde, que deverá se reunir em 10 dias. O Ministério Público abriu ontem investigação preliminar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.