Luca Sola / AFP
Luca Sola / AFP

Vacina americana da Moderna induz resposta imunológica e iniciará terceira fase de testes

Imunizante foi considerado seguro em análise feita com 45 voluntários. Fase 3 deverá envolver 30 mil pessoas para analisar produto no qual o governo americano investiu meio bilhão de dólares

Julie Steenhuysen, Reuters

14 de julho de 2020 | 23h39

A vacina experimental da Moderna Inc contra o novo coronavírus foi considerada segura e provocou resposta imunológica em todos os 45 voluntários saudáveis em um estágio inicial, de acordo com informações divulgadas por pesquisadores nesta terça-feira, 14. Os voluntários que receberam duas doses da vacina desenvolveram níveis mais altos de anticorpos do que pessoas que se recuperaram da covid-19, segundo reportado pela equipe no periódico científico New England Journal of Medicine

Nenhum dos voluntários observaram efeitos colaterais graves, mas mais da metade relataram reações leves ou moderadas como fadiga, dor de cabeça, dores musculares ou dor no local da aplicação da injeção. Isso ocorreu mais após a segunda dose e nas pessoas com as maiores dosagens. 

Especialistas dizem que a vacina é necessária para encerrar a pandemia do novo coronavírus, que atingiu milhões e deixou cerca de 575 mil mortos em todo o mundo. A Moderna foi a primeira a começar a testa a vacina em humanos no dia 16 de março, 66 dias depois da divulgação do sequenciamento genético do vírus. 

Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional  de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA, cujos pesquisadores desenvolveram a vacina da Moderna, classificou os resultados como "boas notícias", destacando que o estudo não encontrou efeitos adversos sérios e a vacina produziu níveis "razoavelmente altos" de anticorpos capazes de neutralizar ou matar o vírus. 

"Se a sua vacina pode induzir uma resposta comparável à infecção natural, essa é uma vencedora", disse Fauci em uma entrevista à agência Reuters. "Essa é a razão de estarmos felizes com os resultados." As ações da Moderna saltaram mais de 15% nesta terça. 

O governo americano está apoiando a vacina da Moderna com cerca de meio bilhão de dólares e escolheu ela como uma das primeiras para iniciar testes amplos em humanos. Uma vacina bem sucedida pode ser um ponto de virada para a Moderna, sediada em Cambridge (Massachusetts), que nunca teve um produto licenciado. 

A dose da moderna, mRNA-1273, usa acido ribonucleico - um mensageiro químico que contém instruções para a produção de proteínas. Quando injetada em pessoas, a vacina orienta as células para produzirem proteínas que imitam a superfície externa do coronavírus. O corpo reconhece o invasor e prepara uma resposta imune contra ele. 

Os resultados divulgados nesta terça-feira, 14, envolvem três diferentes quantidades da vacina testadas em grupos de 15 voluntários, com idade entre 18 e 55 anos. Eles receberam duas doses com a diferença de 28 dias. A fase 3 será conduzida com participação de 30 mil voluntários e deverá começar no dia 27 de julho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.