Vacina aplicada em 1976 nos EUA protege contra gripe suína atual

Diversas cepas de gripe circulam. Os vírus tendem a sofrer mutações de ano em ano

Reuters

23 Abril 2010 | 16h11

As pessoas que foram imunizadas contra a pandemia de "gripe suína" de 1976 que nunca aconteceu podem ter se beneficiado da injeção, ganhando proteção contra o vírus H1N1 de 2009.

Exames de sangue de médicos e de seus cônjuges mostram que os que foram vacinados em 1976 t~em sinais de resistência extra contra o vírus pandêmico de 2009 e contra o H1N1 comum que circulou em 2008.

 

"Vacinamos 45 milhões de pessoas no que foi declarado um dos maiores fiascos de saúde pública de todos os tempos, e agora estamos descobrindo que se fez realmente algum bem", disse o médico Jonathan McCullers, que encabeçou o estudo publicado na revista especializada Clinical Infectious Diseases.

 

O trabalho, divulgado nesta sexta-feira, apoia a teoria de que diferentes cepas do vírus entram e saem de circulação num ciclo, e que tomar a vacina contra a gripe todos os anos pode proteger as pessoas contra variedades que ainda não surgiram.

 

"Nossa pesquisa mostra que, embora a imunidade entre os vacinados de 1976 tenha diminuído um pouco, eles mostraram uma resposta imune muito mais forte contra a atual pandemia de H1N1 que outros que não receberam a vacina", disse McCullers.

 

Todo ano, diversas cepas de gripe circulam. Os vírus tendem a sofrer mutações e mudam um pouco a cada ano, forçando os fabricantes de vacina a reformular o coquetel que compõem a imunização anualmente.

 

Várias vezes a cada século, uma nova cepa surge e desencadeia uma pandemia. Isso aconteceu em 1918 com o H1N1, 1957 com o H2N2, e em 1968 com o H3N2. Geralmente, a cepa pandêmica se estabiliza e passa a fazer parte da mistura sazonal, o que poderá acontecer com o H1N1 de 2009.

 

Em 1976, uma nova variedade de H1N1 surgiu numa base do Exército dos EUA e as autoridades, temendo uma pandemia, apressaram a produção de uma vacina e fizeram um esforço amplo para vacinar a população.

 

Mas o vírus nunca chegou a se espalhar para além da base e a vacina acabou ligada a um efeito colateral raro, mas grave, chamado síndrome de Guillain Barre.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína gripe vacina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.