Zoom Dosso/AFP
Zoom Dosso/AFP

OMS diz que vacina do Ebola é 100% eficaz

Testes com a VSV-EBO, da empresa Merck, Sharp & Dohme, foram feitos em 4 mil pessoas na Guiné; doença matou 11 mil na África

Jamil Chade, Correspondente de O Estado de S. Paulo

31 Julho 2015 | 09h14

Atualizada às 21h21

GENEBRA - Pela primeira vez, uma vacina apresentou resultados concretos contra o vírus do Ebola e a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que, se confirmados os primeiros exames, o combate contra a doença pode sofrer uma “revolução”. 

Nesta sexta-feira, 31, a entidade publicou as conclusões do teste realizado com a vacina VSV-EBO, da empresa Merck, Sharp & Dohme, e indicou que o produto é “altamente eficiente contra o Ebola”. A recomendação é para que os testes agora continuem para permitir que, ainda neste ano, a vacina possa já ser colocada no mercado.

O Ebola infectou mais de 27 mil pessoas e matou 11 mil no oeste da África. A OMS foi denunciada por sua má gestão da crise e as economias dos países atingidos foram duramente afetadas. Conhecido por mais de 40 anos, o vírus jamais atraiu a atenção das grandes empresas farmacêuticas do mundo para a produção de uma vacina. Governos africanos e famílias de vítimas acusaram o setor privado de fazer o produto apenas quando existia a perspectiva de lucro, o que não seria o caso com a doença no interior da África.

Agora, porém, a vacina poderia significar uma mudança radical no tratamento e prevenção, que já custaram mais de US$ 1 bilhão. “Essa é uma notícia extremamente importante”, declarou na manhã de ontem a diretora da OMS, Margaret Chan. “Isso pode mudar todo o jogo do combate à doença no futuro.”

Volume. Os testes foram feitos na Guiné com mais de 4 mil pessoas e os resultados mostraram uma eficiência de 100%. Agora, ela terá de ser testada em um volume maior de pessoas. “Esse é um presente da Guiné para o mundo”, disse Sakoba Keita, coordenador do país africano para o combate à doença. 

John-Arne Røttingen, diretor do Instituto Norueguês de Saúde Pública e que lidera o teste, explicou que a estratégia foi a de vacinar pessoas que tivessem contato com pacientes e, assim, um anel de proteção poderia começar a ser formado. Isso incluiu familiares de pessoas com Ebola, vizinhos, companheiros de trabalho e médicos. 

A entidade Médicos Sem Fronteira usou a vacina em testes com enfermeiras e médicos que combatem a doença.

“Essas pessoas colocaram as vidas em jogo para proteger os demais. Com tal taxa de eficiência, os países devem começar a multiplicar os anéis de vacinação para quebrar as cadeias de transmissão”, disse Bertrand Draguez, representante da entidade.

Mais conteúdo sobre:
Ebola OMS Vacina

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.