Ali Song/Reuters
Ali Song/Reuters

Vacina contra Ebola será testada em janeiro na África, diz OMS

Primeiras doses serão aplicadas em profissionais de saúde de Libéria, Guiné e Serra Leoa e, depois, em familiares de infectados 

Jamil Chade, Correspondente de O Estado de S. Paulo

21 Outubro 2014 | 08h45

GENEBRA - A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou que a vacina contra o Ebola deverá ficar pronta para ser testada na África em janeiro de 2015 se tudo correr bem com os exames sobre segurança e capacidade de imunização de cada dose. Mas campanhas de vacinação ainda levarão "meses" para ocorrer. 

Em uma declaração em Genebra, Marie Paule Kieny, vice-diretora da OMS, apontou que os testes de segurança vão iniciar nas próximas semanas em diversos países e um carregamento de 800 doses ficarão estocadas na Suíça para que possam ser rapidamente levadas para a África assim que os resultados forem positivos. 

Há uma semana, a empresa GSK alertou que não havia como realizar os testes e levar as vacinas ao mercado antes de 2016. 

A OMS rejeitou a previsão da empresa. "Em janeiro, teremos as primeiras doses para os testes nos países afetados, se tudo correr bem", declarou a vice-diretora da OMS.

Os primeiros a serem vacinados serão os profissionais de saúde da Libéria, da Guiné e de Serra Leoa, seguido por familiares de pessoas infectadas. "Estamos fechando a estratégia nas próximas duas semanas", disse Kieny. 

Além do produto da GSK, outra vacina do governo canadense está sendo testada. 

Questionada se a vacina dará um fim à epidemia, a entidade foi cautelosa. "Não sabemos se a vacina vai funcionar. De todo o jeito, levará meses para frear a doença se as vacinas funcionarem", disse Kieny. 

A doença já infectou 9,2 mil pessoas e matou mais de 4,5 mil pessoas. Para especialistas, não haverá um freio da doença se uma vacina não for introduzida. Segundo a OMS, até 10 mil novos casos poderão ser registrados de Ebola por semana em dezembro. 

Mais conteúdo sobre:
Ebola Vacina África OMS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.