Vacina contra obesidade funciona em teste com ratos

Cientistas do Instituto de Pesquisa Scripps, de San Diego (Califórnia), desenvolveram uma vacina experimental contra a obesidade que permitiu que ratos comessem ração à vontade sem engordar. A vacina reduz os níveis de grelina, hormônio presente em mamíferos que regula o consumo e o armazenamento de gordura, segundo estudo publicado ontem na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), dos EUA. Os ratos receberam até quatro doses ao longo de nove semanas. A vacina, aparentemente, age por um período longo: uma semana na vida de um rato equivale a um ano para os humanos, explicaram os pesquisadores. A experiência abre a possibilidade da criação de uma vacina que possa ajudar as pessoas a perder peso. Desde a descoberta da grelina, em 1999, cientistas buscam uma droga capaz de bloquear o hormônio a fim de ajudar a perda de peso. No estudo publicado, ratos vacinados consumiram ração regular durante 13 semanas. Outro grupo, que serviu como controle, recebeu uma forma inativa da vacina. Os ratos que receberam a vacina ativa comeram tanto quanto os animais do grupo de controle. No entanto, ao fim da experiência, os ratos vacinados pesavam entre 20% e 30% menos. O químico Kim D. Janda, um dos autores do estudo, afirmou que os resultados foram uma surpresa, pois acreditava-se que a grelina funcionasse regulando o apetite. Segundo Janda, a grelina na verdade pareceu alterar o metabolismo, levando os ratos vacinados, com baixos níveis do hormônio, a acumular menos gordura e mais músculos. Para que a vacina funcionasse, os cientistas tiveram de enganar o sistema imunológico dos ratos, fazendo-o atacar a grelina, hormônio produzido naturalmente no corpo. Os pesquisadores criaram uma vacina com grelina modificada para que parecesse uma proteína estranha. Eles fizeram isso ligando uma proteína de um molusco à grelina na vacina. O sistema imunológico dos ratos então reconheceu tanto a proteína do molusco quando a grelina como elementos estranhos e os destruiu. Alguns pesquisadores não ficaram convencidos de que a vacina é promissora a longo prazo. Outras Experiências - Experiências anteriores haviam mostrado que ratos sem capacidade de produzir grelina ficavam tão gordos quanto ratos normais. Para Yuxiang Sun, pesquisadora da grelina na Escola de Medicina Baylor, em Houston, que não esteve envolvida no último estudo, comer é uma função tão básica que parece improvável ser um único hormônio capaz de governar apetite, armazenamento de gordura e ganho de peso. David Cummings, professor de medicina da Universidade de Washington, em Seattle, afirmou que o número de animais usados na experiência (17) foi muito pequeno e que estudos muito maiores são necessários para confirmar os resultados. Mas ele disse acreditar que a experiência ofereceu fortes evidências do papel desempenhado pela grelina no ganho de peso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.